Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Imprensa



« Voltar
   

Para BNDES, sem adesão de outros órgãos, leniência não dá segurança jurídica

20/03/2017 - Valor Econômico

A presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Maria Silvia Bastos Marques, diz que seria importante que todos os órgãos de controle se posicionassem sobre os acordos de leniência das empresas da Lava-Jato. Seria uma forma de reduzir a insegurança jurídica em casos de venda de participação acionária ou de ativos dessas companhias para terceiros no futuro.

Maria Silvia explicou ainda que, depois de fechado o acordo de leniência, as empreiteiras precisam assinar um termo de compromisso com o banco para retomar os desembolsos suspensos à exportação. Esse termo de "compliance" prevê que as empresas revelem novos fatos de corrupção, se surgirem, para evitar um vencimento antecipado das dívidas com o banco. Leia a seguir os principais trechos da entrevista.

Valor: Qual o balanço de sua gestão depois nove meses?

Maria Silvia Bastos Marques: Chegamos em junho de 2016, com governo ainda interino, num momento sensível. Tínhamos dois focos: processos de concessão e de exportação de serviços. Nas concessões, o ambiente naquele momento era de modicidade tarifária, taxas de retorno irrealistas, o BNDES bancando boa parte do risco regulatório e do risco financeiro das concessões, inclusive, estendendo empréstimos-ponte e financiando até 100% em boa parte dos casos.

Valor: Como o BNDES assumia o risco regulatório?

Maria Silvia: Como os projetos não tinham taxa de retorno adequada, o banco não só estendia volume de crédito alto como o tamanho de incentivo em TJLP era desproporcional em muitos casos. Porque, se o projeto tem taxa de retorno adequada, não precisa ter incentivo porque este vem do retorno. O resultado foi que, em alguns casos, os leilões fracassaram.

Valor: Quais?

Maria Silvia: Por exemplo, linhas de transmissão, leilões vazios, que não aconteceram. Havia ainda ágios elevados, conflitos importantes das partes relacionadas, deterioração das condições macroeconômicas, o que fez com que os 'project finance' [em que as receitas são a garantia do negócio], que seriam os contratos de longo prazo, não paravam mais de pé. Ou seja, as garantias dos projetos não eram mais suficientes. E houve a deterioração das condições cadastrais e de crédito de parte dos controladores e patrocinadores das concessões por causa da Operação Lava-Jato. Esse era o pano de fundo que a gente encontrou.

Valor: Isso envolvia concessões de rodovias, aeroportos....

Maria Silvia: Envolvia todas as concessões, mas sobretudo as de rodovias e aeroportos. No caso das exportações de serviços, é preciso distinguir. Nas concessões, o BNDES financia diretamente o concessionário. Na exportação de serviços, o banco não financia o exportador, mas o importador, o país, e faz o pagamento em reais no Brasil ao exportador. Todos os projetos estavam amparados não só por programas governamentais - porque eram política de governo, aproximação com países -, como todos eram garantidos pelo governo e, no caso da América Latina, pelo Convênio de Crédito Recíproco (CCR). Do ponto de vista bancário, o banco não corria risco porque tinha suas garantias.

Valor: A garantia é o Tesouro?

Maria Silvia: O Fundo Garantidor da Exportação (FGE). São três blocos de garantia: FGE e CCR na América Latina e, fora da região, as contas vinculadas, como a conta petróleo, e também o FGE. Isso teve impacto sobre a imagem do banco, pois houve questionamento público sobre o mérito dos projetos.

Valor: O que mais vocês encontraram?

Maria Silvia: O BNDES, desde o começo da Lava-Jato, começou gradativamente a interromper desembolsos para as construtoras. Em maio de 2016, antes portanto de entrarmos no banco, 100% dos desembolsos às exportações estavam suspensos. Não houve mais contratação de longo prazo e nenhum desembolso [para as empreiteiras]. A mensagem é clara: esta gestão não interrompeu pagamentos. Estes já estavam suspensos.

Valor: A AGU ordenou a suspensão dos desembolsos?

Maria Silvia: A gestão anterior já tinha consultado a AGU, e a AGU não falou nada além do que deveria: caberia ao BNDES fazer a análise de crédito e decidir se desembolsa ou não os recursos. Um fato não foi divulgado.

Valor: Qual?

Maria Silvia: Em dezembro de 2014, o BNDES informou ao Banco Central os critérios de desembolso para as empresas envolvidas na Lava-Jato do ponto de vista de cadastro. O banco disse, que havendo denúncia na Lava-Jato contra uma empresa, reduziria em um nível a avaliação cadastral e que, se a empresa se tornasse ré, o cadastro sairia de regular para ruim, situação em que o banco suspende os pagamentos. E da mesma forma o BNDES informou como sairia desse processo: com a absolvição pela Justiça ou fechamento de acordo de leniência, o cadastro sairia de ruim para regular.

Valor: Qual é o impacto do cadastro?

Maria Silvia: O cadastro é uma condição necessária. O banco não pode dar crédito a alguém que não tenha cadastro. O fato de ter cadastro não quer dizer que daremos crédito. Mas, para fazer a análise de crédito e talvez desembolsar alguma coisa, a empresa precisa ter cadastro positivo. O cadastro ruim é impeditivo para assumir risco de crédito e a empresa pode ter cadastro ruim por outras razões, como estar inadimplente com fornecedor, ter uma ação ambiental.

Valor: É como se fosse um rating?

Maria Silvia: É um elemento para o rating. É preciso deixar claro que o BNDES é um banco de desenvolvimento, não somos um banco comercial.

Valor: O que isso quer dizer?

Maria Silvia: Que não estamos preocupados somente com garantias de crédito. Estamos preocupados em primeiro lugar com os projetos. Isso é importante porque lemos cotidianamente que o banco não quer emprestar e descumpriu compromissos. Nenhuma dessas afirmações é verdade.

Valor: Por que, então, as empreiteiras se queixam tanto?

Maria Silvia: A verdade é que havia empréstimos-ponte [contratados pelas empresas da Lava-Jato] que não viraram empréstimos de longo prazo. Não houve isso de o banco mudar condições de leilão em contrato fechado. Não havia contrato fechado e o banco jamais mudou condição de leilão. Quando há um leilão [de concessão], as condições de financiamento são X. Mesmo que o leilão vá ser contratado cinco anos depois, valem as condições do leilão mesmo se o banco mudar a política operacional. Há, por exemplo, leilões de energia de três anos atrás e nós já mudamos a política operacional, mas vamos contratar [o financiamento] para esses leilões com base nas condições anteriores.

Valor: A crítica é a de que o banco tem hoje um caixa de R$ 130 bilhões porque não quer emprestar.

Maria Silvia: Passamos 60% do tempo tentando resolver questões dos projetos. Se não fosse assim, o que teríamos feito nessas situações? Como todos os projetos têm garantias, fianças bancárias e corporativas, teríamos simplesmente executado as garantias e colocado dinheiro em caixa e emprestado para outros. Se tivéssemos descompromisso com os projetos, com as empresas, teríamos executado as fianças, que é nossa prerrogativa. Não fizemos isso. Estamos preocupados com os projetos.

Valor: Há uma solução geral para as concessões antigas?

Maria Silvia: Não. Algumas empresas pagaram ágios elevados nos leilões que não cabem nos projetos. Outras tinham outorgas que não cabem na receita; outras tiveram premissas de tráfego e demanda superadas pelas condições econômicas. Temos convicção de que estamos fazendo tudo para que esses projetos não morram. Para isso contamos com discussão governamental. O caso das concessões é emblemático porque assim que entramos no governo sentamos com a turma do PPI, o ministro Moreira Franco e sua equipe e fizemos revisão do processo de cabo a rabo.

Valor: Qual foi o resultado?

Maria Silvia: As revisões já impactaram o leilão dos aeroportos, que agora não têm empréstimo-ponte, o percentual de TJLP é menor que antes, agora há o disciplinamento que trata de partes relacionadas.

Valor: Que disciplinamento?

Maria Silvia: Em cada edital lançamos as condições de financiamento. Lá, damos regras para partes relacionadas. Por exemplo: para contratação acima de determinado valor, tem que passar pelo conselho de administração e contratar auditoria. Porque, nas concessões anteriores, esse conflito ocasionou problema para as concessões. E a falta de transparência da taxa de retorno das concessões é enorme.

Valor: Por exemplo?

Maria Silvia: O aeroporto de Viracopos é público. Tem um consórcio que é o concessionário e as construtoras UTC e Triunfo. O consórcio construtor foram as duas empresas, e elas estão processando a concessionária [das quais são sócias], cobrando R$ 600 milhões referentes à obra. Com isso, não há clareza onde está a taxa de retorno, se na obra ou na concessão. Isso tudo foi disciplinado e já funcionou no leilão de transmissão de energia, em outubro, depois de vários leilões vazios. Com investimento de R$ 12 bilhões, ágio de 12%, com o BNDES oferecendo condições a taxa de mercado e prazo de 18 anos. O projeto tem atratividade.

Valor: No caso do aeroporto do Galeão, não é preciso sentar com o concessionário e rever o contrato?

Maria Silvia: A outorga do Galeão [R$ 19 bilhões a serem pagos em 25 anos] custa mais hoje do que a receita bruta anual do aeroporto. Galeão tem um excelente operador [Changi, de Cingapura], está pronto e montamos uma força-tarefa para identificar os problemas. A demanda era fazer uma equação financeira que coubesse para o BNDES, e conseguimos fazer. Mas isso não se esgota no banco porque há um contrato e um órgão regulador envolvido [a Anac]. No Galeão, tem outorga fixa por ano e eles precisam de outorga crescente. Há essa flexibilidade no contrato? Não cabe a nós julgar, mas o órgão regulador. A MP 752, que flexibiliza e dá critérios para a caducidade [das concessões] vai ajudar a dar segurança jurídica.

Valor: Teria que rever as condições do contrato?

Maria Silvia: Sim, por isso tem a medida provisória. Uma parte dessas concessões o governo já anunciou que serão relicitadas [Concer, Dutra e CRT].

Valor: O que mais muda no financiamento às concessões?

Maria Silvia: Não tem mais empréstimo-ponte, hoje os financiamentos do banco são de no máximo até 80% [de participação], com 20% de 'equity' [ações] do investidor. As condições de financiamento são definidas para os leilões específicos. No caso do leilão de aeroportos, a parcela em TJLP é até 40% e tem debêntures. Podemos entrar em até 100% das debêntures a custo de mercado.

Valor: Haverá demanda pelos recursos do banco nessas condições?

Maria Silvia: Acho que terá e vamos trabalhar junto com os concessionários para viabilizar. Mas, se não tiver interesse, temos outros projetos para apoiar. Também definimos edital em inglês para as novas concessões - antes, não havia -, mais prazo entre o lançamento do edital e o leilão, pagamento de 25% da outorga e dos ágios no momento de assinatura do contrato.

Valor: Houve casos em que o banco executou garantias por descumprimento de contrato?

Maria Silvia: Houve o caso da Triunfo. O banco executa quando é nossa obrigação. Com a Triunfo houve muita conversa. Continuamos conversando mesmo depois de eles terem entrado com ação contra o banco e nós executando as garantias, como temos obrigação de fazer, mas nunca avançou. Nunca houve disposição de apontar caminho e outras garantias. Não é algo que a gente deseje. Obviamente, é um pouco demais achar que o Banco Central quer viver com juros altos e o BNDES não quer gerar crescimento e emprego. A missão do banco é essa.

Valor: No caso da exportação de serviços, o que se constatou?

Maria Silvia: O Tribunal de Contas da União (TCU) fez uma auditoria profunda em 149 contratos e nos ajudou muito na retomada. O tribunal nos apontou aperfeiçoamentos nos processos que o banco estava usando. Era um dos assuntos mais delicados do banco e estamos conseguindo com transparência e critérios horizontais tratar do assunto, que não é simples e afetou muito a imagem do BNDES. Em outubro, divulgamos novos critérios para os novos projetos. Para os projetos suspensos, anunciamos as condições necessárias à retomada dos desembolsos.

Valor: Quais são as condições?

Maria Silvia: São quatro: ter o funding fechado; avanço físico da obra; risco de crédito do importador; e assinar o termo de 'compliance'. Olhamos, por exemplo, uma obra em um país que está com 30% de avanço físico, mas o único financiador é o BNDES. Nesse caso, o funding não está fechado ainda, então, é um dos quatro critérios não cumpridos. O termo de 'compliance' deve ser assinado pelo importador e o exportador dizendo que não há nada ilícito no projeto.

Valor: A partir de agora?

Maria Silvia: Não. Se houver [evidência de corrupção] em um projeto existente, não pode ser retomado. Dos 25 projetos de exportação de serviços suspensos, três foram retomados - dois com a Queiroz Galvão (um em Honduras e outro na República Dominicana) e, agora, anunciamos que estamos aptos a retomar um projeto com a Andrade Gutierrez, em Gana.

Valor: Qual é a conexão da leniência e o termo de "compliance" do BNDES?

Maria Silvia: Nas concessões, tenho que fazer análise de crédito e cadastro do concessionário. Na exportação de serviço, o importador tem que ter crédito com o banco, e tanto o exportador quanto o importador têm que ter cadastro positivo com o banco, o que está refletido no termo de "compliance". É importante dizer que o

banco está em estreita colaboração com o Ministério Público Federal. Temos troca permanente de informação e reuniões. Temos ido com frequência ao TCU para resolver o estoque grande de problemas. Nossa aproximação com os órgãos de controle é positiva. Assinamos [na quinta-feira] termo de cooperação com o Ministério da Transparência [ex-CGU]. No caso do MPF, começamos tratativas para possível assinatura de um acordo de cooperação institucional.

Valor: Como funcionaria?

Maria Silvia: Organizaria nosso relacionamento, diria quais são os canais efetivos de contato no banco e no MPF, com uma troca de informações mais escorreita. O termo de 'compliance' foi feito em colaboração com o MPF e tem uma conexão com o acordo de leniência. Se quem assinar o acordo de leniência descumprir o termo de 'compliance', ou vice-versa, descumprirá o outro. Os dois documentos são conexos. Se isso ocorrer, haverá vencimento antecipado de todos os contratos do banco ["cross default"].

Valor: Qual é o impacto dos acordos de leniência sobre o BNDES?

Maria Silvia: O acordo de leniência trata do cadastro. Quem assina leniência, o cadastro passa de ruim para regular. Em tese, pode novamente contratar com órgãos públicos. É condição necessária, mas não suficiente porque temos que ver a questão de crédito.

Valor: É por isso que o acordo de leniência não é garantia de que a empresa vá ter crédito do BNDES novamente?

Maria Silvia: Não é, mas a empresa já pode operar com o banco. O acordo de leniência tem impacto positivo sobre o banco, é condição essencial. Se houver condição de crédito, podemos retomar e contratar. Mas temos que fazer análise de crédito, ter as garantias. Havendo acordo de leniência estão removidos da análise de cadastro quaisquer fatos relacionados à leniência. Mas o cadastro pode não ser regular por outros motivos.

Valor: O MPF negociou o acordo de leniência da Odebrecht com autoridades americanas e suíças. A empresa confessou as práticas ilegais e concordou em pagar multa de R$ 6,7 bilhões. Ocorre que a AGU, por exemplo, diz que vai exigir reparação também. Isso não cria insegurança jurídica?

Maria Silvia: Por isso, é importante ter todos esses órgãos [de controle] se posicionando. Digamos que algumas dessas empresas queiram vender seus ativos. O potencial comprador pode requerer [para ter segurança] uma palavra final de todos os órgãos. Ele pode ter receio de adquirir dívida no futuro. Quando falei de insegurança jurídica, me referi à transferência de controle. O acordo de leniência, para o BNDES, se não houver outras questões, é suficiente para sanar a questão do cadastro. É bom dizer que não conhecemos o acordo [da Odebrecht].

Valor: É sigiloso?

Maria Silvia: O Supremo Tribunal Federal tem que levantar o sigilo em algum momento. Recebemos um estrato preparado em conjunto pela Odebrecht e a MPF para os bancos públicos. Com o acordo de leniência, a informação do Ministério Público para nós, o cadastro deles [Odebrecht] vai se tornar regular. No caso de exportação de serviços, a Odebrecht precisará assinar o termo de "compliance" junto com o importador, assegurando que naquela operação não há nada irregular.

Valor: Há conversa com a Odebrecht sobre o termo de compliance? Maria Silvia: Está fechado. Ou eles aderem ou não. O termo de 'compliance' vai ser incorporado a todos os contratos de exportação de serviços que assinarmos com alguém que trate com o poder público, com governos estrangeiros, daqui em diante. A Odebrecht na leniência revelou uma serie de fatos sobre os quais diz que já tem conhecimento, mas se obrigou a fazer apuração interna, continuada, em todas as suas operações. Tudo o que vier a encontrar de novo comunicará ao MPF. Ser tiver assinado leniência e 'compliance' e vier a descobrir coisa adicional, e revelar ao MPF não tem 'cross default' conosco [não fica inadimplente com o BNDES]. Mas, se não revelar as irregularidades constatadas e elas forem descobertas por outras fontes, descumprirá a leniência e o termo de "compliance".

Valor: O fim do empréstimo-ponte não cria a necessidade de flexibilização de outras condições?

Maria Silvia: Quando acabou o ponte, dissemos que o contrato longo vai ser contratado desde o momento zero. Vamos fazer o longo com fiança bancária até o "completion" físico [conclusão da obra] e financeiro [da operação financeira]. Vamos flexibilizar garantias.

Valor: Como?

Maria Silvia: Vamos compartilhar garantias. Se os bancos derem mais de 40% do total em fianças, o BNDES compartilhará as garantias do projeto com os bancos. Flexibilizamos sem perder a garantia de receber nossos créditos. Vai ajudar a compor o funding.



Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter

 Notícias Relacionadas
BNDES deve liberar recurso para obra da Linha Leste até março
BNDES vai dobrar crédito, diz Rabello
BNDES quer dosar participação na emissão de debêntures de infraestrutura



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, segunda-feira, 11 de dezembro de 2017
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária