Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Imprensa



« Voltar
   

Temer se reúne com Evo Morales, e Brasil e Bolívia assinam dois atos de cooperação

05/12/2017 - G1

Em visita oficial ao Brasil, o presidente da Bolívia, Evo Morales, foi recebido nesta terça-feira (5) pelo presidente Michel Temer no Palácio do Planalto. Após uma reunião, que teve a presença dos presidentes e de ministros dos dois países, Brasil e Bolívia assinaram dois atos.

Os dois governos firmaram um memorando de entendimento, entre os ministérios dos Transportes do Brasil e de Obras Públicas da Bolívia, a respeito do corredor ferroviário bioceânico. O empreendimento prevê a ligação ferroviária entre Brasil, Bolívia e Peru, indo do Oceano Atlântico ao Pacífico.

Segundo a assessoria do Planalto, o memorando tem a intenção de “criar condições para incremento do tráfego ferroviário entre o Brasil e a Bolívia, bem como estabelecer bases para o pleno aproveitamento da infraestrutura no projeto”.

Presidente da Bolívia Evo Morales se encontra com Michel Temer

Também foi assinado um acordo de cooperação policial entre o Ministério da Justiça do Brasil e o Ministério de Governo da Bolívia no combate ao crime organizado transnacional e outros crimes, como terrorismo, roubo de veículos, lavagem de dinheiro, crimes cibernéticos, outros delitos comuns de fronteira e tráfico de pessoas, drogas e de armas de fogo.

Evo chegou ao Planalto no final da manhã, passou em revista as tropas militares, subiu a rampa do palácio e posou para fotos ao lado de Temer. Depois do encontro bilateral e da assinatura dos atos, ele e Temer seguiram para um almoço no Palácio do Itamaraty, sede do Ministério das Relações Exteriores.

A visita de Evo Morales ao Brasil teve de ser cancelada duas vezes em razão das cirurgias pelas quais Temer passou recentemente. Em outubro, Temer realizou uma cirurgia na próstata e em novembro passou por uma angioplastia de três artérias coronárias.

Aliado dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, Evo foi um dos principais críticos do impeachment de Dilma entre os líderes de países sul-americanos.

O presidente boliviano chamou o processo de “golpe” mais de uma vez. Quando Dilma foi afastada pelo Senado em 2016, por exemplo, Evo escreveu em sua conta no Twitter que o processo de impeachment era um "golpe".

Encerradas as agendas no Planalto e Itamaraty, Evo afirmou pelo Twitter que estava "honrado" por visitar o Brasil. Na mesma mensagem, o presidente boliviano chamou Temer de "irmão". Ele utilizou o mesmo termo para se referir ao ex-presidente Lula em outubro, quando o petista completou 72 anos.



Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter

 Notícias Relacionadas
Paraná busca investidores para ferrovia
Programa de concessões de infraestrutura do Brasil desconsidera riscos climáticos, diz WWF
Brasil perde 34 milhões de toneladas de grãos por ano por falta de armazenagem



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, segunda-feira, 11 de dezembro de 2017
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária