Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Imprensa



« Voltar
   

TCE-RJ vê indícios de irregularidade no metrô, mas nega pedido para suspender concessões de linhas 1, 2 e 4

07/08/2018 - G1

O Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) negou liminar para suspender as concessões de todas as linhas do metrô fluminense, em sessão nesta terça-feira (7). O pedido foi feito em uma representação do Ministério Público Especial, revelada pelo G1 na semana passada, na qual os os autores listavam uma "montanha de absurdos": superfaturamento, sumiço de contratos e impossibilidade de calcular o valor justo da tarifa.

O conselheiro substituto Marcelo Verdini Maia, relator do processo, foi seguido por todos os demais colegas. Na representação, o MPE pedia, ao fim do processo, a anulação dos contratos e a realização de novas licitações. De acordo com o conselheiro, a representação deve ser incluída nas auditorias que já analisam possíveis irregularidades na concessão. Ao fim delas, disse o conselheiro, a representação pode ter o mérito novamente julgado.

"Num juízo de ponderação, entendo que a sustação (suspensão dos contratos) nesse momento, sem que o poder público pudesse, aparentemente, encampar (administrar) o serviço, poderia trazer consequências duras e inestimáveis aos usuários e ao transporte público".

"A imediata concessão (da liminar) poderia ter efeitos irreversíveis", disse o conselheiro em seu voto.

Representante da Procuradoria-Geral do Estado (PGE), Rodrigo Tostes Mascarenhas se posicionou contra o pedido. Ele disse que a anulação "geraria vultuosíssima indenização por parte da administração pública". O procurador afirmou que o pedido é uma "inovação completamente descabida".

Vencido nos argumentos, o procurador-geral de contas, Sérgio Paulo, foi o primeiro a falar. Ele enumerou as irregularidades da concessão e pediu urgência.

"Esse caso clama por questão imediata. Os recursos da tarifa vão integralmente para o caixa da concessionária todos os dias, e o sumiço dos contratos impossibilita saber o valor justo da tarifa. Parte dela deveria estar entrando nos cofres públicos".

O procurador do Ministério Público Especial também ironizou o contrato da Linha 4, assinado em 1998 e "ressucitado", nas palavras dele, nos anos 2000.

"O que não podemos admitir é a convivência com atos flagrantemente ilegais e antieconômicos. É certo que a sociedade fluminense tem se deparado com inúmeras ilegalidades, (com) ilícitos em relação a gestores da coisa pública fluminense, mas nós não podemos nem nos acomodar, nem nos acostumar".

 

A representação cita:

monopólio das concessões em um só grupo empresarial;

superfaturamento de R$ 2,3 bilhões na Linha 4;

aumento do aporte público na obra;

dificuldade de calcular o valor justo da tarifa com base no lucro da concessionária, porque os documentos que baseiam este cálculo sumiram, segundo os procuradores.

O pedido de anulação tem 500 páginas e é assinado por todos os quatro procuradores em exercício — são cinco no total, mas uma está de licença médica.

 

Em nota, a MetrôRio informou que o contrato prevê revisões de seu equilíbrio econômico-financeiro a cada cinco anos e que "encontra-se totalmente em dia com todas as suas obrigações contratuais e é aprovado por 95% de seus clientes".

 

Irregularidades

 

Os procuradores afirmam que os contratos sobre a taxa de retorno da empresa, que baseiam o valor a ser cobrado na tarifa, simplesmente sumiram. O extravio é considerado "alarmante" pelo Ministério Público Especial.

Os procuradores também apontam para o aumento do aporte do estado na Linha 4. O investimento público na obra, conforme cálculos de 1998, seria de R$ 1,2 bilhão — equivalente a 45% do valor total. Os outros 55%, ou R$ 1,48 bilhão, caberiam à iniciativa privada.

O corpo técnico afirma que houve "aumento do aporte do estado em 675%", saltando para R$ 9,2 bilhões. A alteração, consideram eles, é "indecorosa".

Os procuradores do MPE também acusam a Rio Barra, que venceu a licitação para a concessão da Linha 4, de transferir "toda a operação" e manutenção para a MetrôRio, que administra as linhas 1 e 2. Com isso, a licitante teria virado "mera intermediária" da concessão.

Procurada, a Rio Barra "informa que não foi notificada a respeito da representação do Ministério Público Especial no TCE e que, portanto, não irá se manifestar".

 

Fonte: https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2018/08/07/tce-rj-ve-indicios-de-irregularidade-no-metro-mas-nega-pedido-para-suspender-concessoes-de-linhas-1-2-e-4.ghtml




Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter

 Notícias Relacionadas
Metrô SP adia licitação da estação Jardim Colonial
Novas estações do metrô tiram passageiro de corredor
Com novos usuários, Metrô de Madri deve comprar 60 novos trens



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, domingo, 21 de outubro de 2018
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária