Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Revista Ferroviária



« Voltar
   

Short lines precisam ser discutidas no processo que envolve a renovação antecipada das concessões, afirma especialista

24/08/2018 - Revista Ferroviária

Dados da ANTT apontam que, dos 28.218 quilômetros da malha ferroviária, 8,6 mil km – o equivalente a 31% – estão subutilizados ou inoperantes. Uma das alternativas para essa questão é a criação das chamadas short lines, disseram especialistas que estiveram na 24ª Semana de Tecnologia Metroferroviária. Eles defenderam que o tema seja discutido no processo de renovação antecipada dos contratos de concessão e que haja mudanças no marco regulatório, para que esta alternativa seja viável no Brasil. O evento foi realizado ontem (quinta, 24), no auditório da faculdade UNIP, em São Paulo.

O secretário-geral da Associação Latino-Americana de Ferrovias (Alaf), Jean Pejo, chamou as short lines de “ferrovias 4.0”. Pejo disse que elas podem ser tanto um empreendimento greenfield, uma linha nova, quanto brownfield, que é o que mais vem sendo discutido, o aproveitamento de linhas já existentes.

Para viabilizar short lines, entretanto, é necessária uma quebra de paradigmas, diz Pejo. “Não é verdade que ferrovia, para dar lucro, tem que ser grandes volumes e grandes distâncias. Está aí a Europa para dizer o contrário”. Outro ponto é que trem de passageiro pode conviver com trem de carga, ressaltou, afirmando que as short lines podem viabilizar a volta dos trens regionais de passageiros.

Ele também disse que é impossível ter empresas de short lines com um modelo de regulação “forte, pesado”, como é o brasileiro. “Para que isso aconteça no curto prazo, é necessário que se mude a regra dos atuais contratos de concessão. E para mudar as regras de contratos de concessão é importante discutir a antecipação da renovação das concessões”.

O consultor Frederico Bussinger, por sua vez, apresentou o exemplo do mercado norte-americano. Ele explicou porque o mercado de short lines floresceu por lá, ao contrário daqui. “Não é verdade que nos EUA não há intervenção governamental. O padrão de relacionamento é diferente. Eles atuam de forma pragmática, com foco no resultado”.

Bussinger contou que o governo norte-americano possui duas agências para tratar do assunto, uma que atua na área econômica e outra, na de segurança. A gestão, por sua vez, é livre, o que ele considera crucial. Bussinger desfez o mito de que as short lines são exclusivamente de curta extensão ao contar que, por lá, há short lines de 1.200 km. A característica principal da short line é que são empresas pequenas. “Eu visitei uma empresa com algumas dezenas de funcionários em que o proprietário, o dono, era maquinista também”.

“Nossos órgãos de controle, Tribunal de Contas, Ministério Público, estão muito em cima do patrimônio. Lá toda a discussão se dá em torno da riqueza gerada. O patrimônio, o ativo, está a serviço da riqueza que ela gera”, informou ainda. Ele também falou sobre marco regulatório. “Por que não pensar no marco desregulatório?”.

Por fim, deu alguns recados incisivos. “Sou cético de que, neste ambiente institucional, seja possível ter short lines no Brasil. (...) Mas não sou cético para ‘colocar o pijama’. A comunidade ferroviária tem que colocar o dedo na ferida, pois a short line só decola se a sociedade se engajar”.

 

Apoio da Valec

 

O gerente de planos e projetos da Valec, Francisco Luiz da Costa, explicou que a empresa está interessada no desafio das short lines. “A Valec pode começar a operar para ‘cevar’ a demanda. A intenção da Valec não é ser uma operadora de curta ou média distância, mas colaborar neste processo e tornar o investimento atrativo para o setor privado”.

Ele contou que fez uma apresentação dessa proposta ao conselho de administração da Valec e ao secretário-executivo do Ministério dos Transportes.

“Nas duas ocasiões, a ideia foi muito bem-recebida”.

Costa disse que o ministério dos Transportes está renovando um acordo de cooperação técnica com o ministério dos Transportes norte-americano e que a Valec está propondo um capítulo específico sobre short lines neste memorando.



Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter

 Notícias Relacionadas
TCU poderá investigar renovação antecipada de concessões de ferrovias à Vale
Análise da prorrogação das concessões “não será feita a toque de caixa”, disse procurador
Renovação de concessões de ferrovias injetará R$ 30 bilhões em investimentos, diz secretário do Ministério dos Transportes



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, terça-feira, 18 de setembro de 2018
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária