Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Revista Ferroviária



« Voltar
   

Prumo Logística investe em estudos sobre a EF-118

26/09/2018 - Revista Ferroviária

A Prumo Logística vem realizando desde 2015, junto com parceiros, estudos sobre demanda, viabilidade econômica e engenharia da EF-118, projeto que liga Vitória, no Espírito Santo, ao Rio de Janeiro (capital), e que recentemente entrou na lista de prioridades do Conselho do Programa de Parceria de Investimentos - PPI. Em janeiro próximo, a empresa deve enviar o material já produzido para a ANTT e EPL (Empresa de Planejamento e Logística). Segundo o gerente geral de Relações Institucionais da empresa, Luiz Felipe Jansen de Mello, a Prumo acompanha a discussão do projeto junto à secretaria do PPI. “A EF-118 já foi objeto de vários estudos por parte de diferentes programas de governo”, contou o gerente.

Operadora do Porto do Açu, no Rio, a Prumo Logística é uma das mais interessadas na EF-118. Hoje, os terminais do porto não recebem cargas vindas por ferrovia, apenas por via rodoviária.

De acordo com Mello, os estudos realizados pela Prumo apontaram que a ferrovia poderia transportar cerca de 5 milhões de toneladas de cargas/ano em 2025, caso a ferrovia estivesse pronta nesse ano. Em 2060, a malha chegaria a transportar entre 55 e 70 milhões de toneladas por ano. Cerca de 60% desse volume poderia ser movimentado pelo Porto do Açu, ou seja, o porto receberia 3 milhões de toneladas/ano em 2025 e 37,5 milhões de toneladas/ano em 2060.

“A grande vantagem da ferrovia é que, uma vez instalada, vai criar um ambiente de competição, menor custo e eficiência para os clientes, especialmente os de carga geral e de granéis agrícolas”, declarou Mello. Um dos principais beneficiários da ferrovia Rio-Vitória é o Terminal Multicargas (T-MULT), que movimenta coque, carvão, bauxita e gipsita, além de carga geral e de projetos.

Questionado sobre a declaração do ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, que disse em julho que a ferrovia não tem viabilidade econômica sem a conclusão do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), ele afirmou que o complexo é responsável por uma parcela muito pequena do total de cargas que seria transportado pela Rio-Vitória. “Não é o suficiente para tornar a ferrovia viável ou inviável”, declarou.

No início de julho, o governo federal anunciou que incluiria a EF-118 na carteira de projetos do PPI. Na opinião de Mello, algumas alternativas podem ser levadas em conta para a construção da ferrovia: uma seria fazer um investimento cruzado, ou seja, a Vale aplicaria recursos como uma das contrapartidas para renovar seu contrato de concessão na Vitória-Minas; outra opção seria o governo federal fazer uma licitação com recursos advindos das outorgas; por fim, uma opção presente nos estudos de engenharia (e que, por enquanto, não está sendo discutida nas audiências públicas) é incluir a EF-118 na concessão da FCA, uma vez que o projeto prevê aproveitar cerca de 150 km do trajeto da malha da VLI.



Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter

 Notícias Relacionadas
ANTT defende prolongar projeto do trem intercidades de São Paulo até Limeira
ANTT pode avaliar revogação da concessão da TLSA em 2019
MRS Logística oferece curso gratuito para operador ferroviário com ajuda de custo de R$ 500



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, quinta-feira, 13 de dezembro de 2018
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária