Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Imprensa



« Voltar
   

Ligação de estação de trem a aeroporto de Guarulhos será improvisada

20/07/2016 - Folha de São Paulo

Após sucessivos atrasos, a ligação sobre trilhos entre a cidade de São Paulo e o aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, deve ser inaugurada no primeiro semestre de 2018. Mas os passageiros otimistas com o novo prazo já devem se preparar para lidar com improvisos no trajeto do desembarque do trem à entrada dos terminais de voo.

A chegada pela nova linha da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) será numa estação perto do terminal 1 (com voos da Azul e da Passaredo), mas longe dos principais embarques –a cerca de 2 km do terminal 2 e a 3 km do terminal 3.

Pelo acordo firmado com a gestão Geraldo Alckmin (PSDB), a concessionária do aeroporto prometia um monotrilho para fazer essa transferência. Mas a obra, orçada em US$ 40 milhões, nem sequer começou –e não deverá ficar pronta a tempo.

Segundo a Folha apurou, a GRU Airport, responsável pelo aeroporto desde 2012, admitiu a membros do governo que levará pelo menos 18 meses a mais que a abertura da estação para concluir o monotrilho e transportar, gratuitamente, passageiros aos seus destinos finais em Cumbica.

Uma alternativa provisória mencionada por técnicos da companhia seria a extensão do ônibus entre terminais até a estação da CPTM.

Pesa contra essa ideia, contudo, o descompasso entre a quantidade de pessoas transportadas por um trem (até 2.600) e por um ônibus (até 80), além do atual intervalo de até 15 minutos entre as viagens entre terminais. Um monotrilho tem capacidade para transportar mais de 400 pessoas por deslocamento.

Em nota, a GRU Airport afirmou que "está avaliando as alternativas técnicas" e que o "cronograma do projeto" –não especificamente do monotrilho, mas de alguma opção de transferência– "está em linha com o prazo de entrega das obras" da CPTM.

O projeto original do Estado previa a construção da estação em distância que os passageiros pudessem caminhar até as áreas de check-in. Ele acabou revisto após a decisão da concessionária de construir um shopping no local escolhido e seu compromisso de, em troca, transportar os usuários aos terminais.

LIGAÇÃO COM O CENTRO

A viagem de trem do centro de SP até Cumbica deve levar aproximadamente meia hora. O intervalo de partida entre os trens será de oito minutos. A tarifa será igual à do resto do sistema metroferroviário –atualmente em R$ 3,80.

Um ônibus executivo para esse trajeto custa R$ 45,50. Atualmente, a única opção para quem deseja ir até Cumbica usando transporte público coletivo é um ônibus da EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos) que sai da estação Tatuapé, com preço de R$ 5,55.

Com a futura obra, a integração entre metrô e trem será feita na estação Brás, onde o passageiro deverá pegar a linha 12-safira até a estação Engenheiro Goulart, ponto inicial da nova linha, na zona leste de São Paulo. De lá, seguirá por 12 km pela linha 13-jade até Cumbica.

Para chegar ao destino final, a obra precisa superar desafios de engenharia, como a Folha verificou na primeira visita monitorada à linha 13-jade. Haverá pontes sobre o rio Tietê, sobre o rio Baquirivu, já em Guarulhos, e sobre as rodovias Ayrton Senna, Dutra e Hélio Smidt –que dá acesso ao aeroporto.

O investimento do Estado nas obras é de R$ 1,8 bilhão. As estimativas iniciais previam 130 mil pessoas transportadas por dia na nova linha –mas técnicos avaliam que a demanda hoje tende a ser maior, entre passageiros e funcionários do aeroporto.

PROMESSA ANTIGA

Em nota, a GRU Airport informa que "está avaliando as alternativas técnicas" e que o "cronograma do projeto" –não especificamente do monotrilho, mas de alguma opção de transferência– "está em linha com o prazo de entrega das obras" da CPTM.

Quatro anos atrás, o próprio grupo havia informado que a escolha mais provável era um monotrilho, "com cerca de dois quilômetros de extensão e custo estimado de US$ 40 milhões".

Além de receber intenso fluxo de passageiros, o aeroporto de Guarulhos é também o destino de mais de 35 mil trabalhadores, entre empregos diretos e indiretos. Por seu porte e pelo vasto número de voos internacionais que oferece, ligá-lo ao centro de São Paulo por trilhos, a exemplo do que acontece em grandes metrópoles internacionais, é uma velha promessa de gestões tucanas.

IDAS E VINDAS

A conexão ferroviária é anunciada há pelo menos 14 anos. Em 2002, durante campanha pela reeleição, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) manifestava desejo de ter um "Expresso Aeroporto" pronto em 2005. Tratava-se de um projeto de ligação direta da estação da Luz até Cumbica em 22 minutos. O trem teria local para acomodar bagagem e tarifa estimada à época em R$ 20.

O plano não teve andamento, contudo, e foi reciclado em 2007, já na gestão de José Serra (PSDB). Prometia-se financiar a obra com recursos do governo federal e da iniciativa privada, com expectativa de entrega em 2010. Ainda em 2009, no entanto, nova admissão de fracasso: o trem expresso seria incluído no pacote de obras para o país receber a Copa de 2014, mas não houve empresas interessadas no projeto.

Por fim, em 2011, outra vez sob o comando de Alckmin, o governo paulista abandonou a ideia do trem expresso e optou por expandir a malha da CPTM até Guarulhos, com a criação da linha 13-jade. Desde então, houve ao menos três atrasos em relação aos prazos de entrega da linha, já anunciada para 2014, 2015 e 2016.



Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter
As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do site Revista Ferroviária.


Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, terça-feira, 22 de agosto de 2017
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária