Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Imprensa



« Voltar
   

PIB brasileiro caiu 3,6% no ano passado e economia voltou aos níveis de 2010

08/03/2017 - Estadão

A economia brasileira encolheu 3,6% no ano passado. Em dois anos, essa queda chegou a 7,2%, a maior recessão já enfrentada pelo País pelo menos desde 1948, quando o IBGE começou a calcular os números do Produto Interno Bruto (PIB). Com esse recuo, a economia encerrou 2016 no mesmo patamar do terceiro trimestre de 2010.

Desde o início desse período de recessão, no segundo trimestre de 2014, o PIB já encolheu 9%, nos cálculos da LCA Consultores. Como a população cresceu, o PIB per capita, ou seja, a geração de riqueza por pessoa, caiu 11% no período. Na prática, o brasileiro ficou mais pobre, pois o “bolo” a ser dividido por todos está menor e, ao mesmo tempo, há mais bocas para alimentar. “Tem de colocar muita água no feijão”, disse a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.

O saldo desse período pode ser visto nas ruas: do fim de 2014 ao fim do ano passado, 2,613 milhões de trabalhadores perderam o emprego. Com o orçamento familiar apertado, a fila da busca por uma vaga praticamente dobrou, para 12,342 milhões de pessoas. O valor do total de salários em circulação encolheu em R$ 8,038 bilhões, reduzindo o poder de compra. No PIB, o consumo das famílias caiu 4,2% ano passado, após recuar 3,9% em 2015.

Sem consumidores, 210,6 mil lojas que possuíam funcionários com carteira assinada fecharam as portas, de acordo com a Confederação Nacional do Comércio (CNC). Isso é mais do que o total de 121,6 mil estabelecimentos localizados em shopping centers, conforme a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop).

“Em três anos, o comércio teve uma queda de 20% nas vendas. De cada R$ 100,00 que o comércio vendia em 2013, R$ 20,00 desapareceram”, afirmou Fabio Bentes, economista da CNC. O PIB de serviços teve baixa de 2,7% ano passado, mesmo ritmo de queda de 2015.

O PIB industrial encolheu 3,8% ano passado, após cair 6,3% em 2015, mas a crise já vinha desde 2014, quando o recuo foi de 1,5%. Um ano antes, em 2013, o Brasil produziu 3,7 milhões de veículos, segundo a Anfavea, entidade industrial do setor. Ano passado, a produção total foi 42% menor, com 2,2 milhões de unidades. “O Brasil nunca passou por uma experiência como essa”, disse o presidente da Anfavea, Antonio Megale.

Se as projeções do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre/FGV) para este e o próximo ano estiverem certas, a atividade econômica chegaria ao fim de 2018 ainda 4,9% abaixo do pico, no primeiro trimestre de 2014, nas contas do pesquisador Julio Mereb. Uma volta ao nível máximo, só de 2021 em diante. “Vai ser outra década perdida”, disse o economista José Luís Oreiro, professor da Universidade de Brasília (UnB).

 

Leia também: Investimento teve o pior resultado em 20 anos



Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter
As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do site Revista Ferroviária.

 Notícias Relacionadas
Agropecuária puxa revisões do PIB de 2016 e do 1º trimestre de 2017
PIB Agropecuário terá crescimento de 10,9% este ano, prevê Ipea
Monitor do PIB mostra país 'querendo sair do buraco'



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, quarta-feira, 13 de dezembro de 2017
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária