Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Imprensa



« Voltar
   

PPI vai incluir trem de São Paulo

29/03/2017 - Estadão

O governo federal decidiu incluir o projeto do trem de média velocidade de São Paulo no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), que centraliza os projetos prioritários da área de concessão. Com a medida, o projeto paulista avaliado em cerca de US$ 5 bilhões passa a contar com a possibilidade de ser financiado pelo BNDES. A previsão é de que o trecho que ligaria Brasília a Goiânia também entre na lista de prioridades do PPI.

Outra decisão do Palácio do Planalto foi a de aprovar a liberação da “faixa de domínio” das atuais ferrovias que operam entre São Paulo, Campinas e Americana, para que o novo projeto paulista seja construído ao lado das malhas de cargas que já existem na região e que, atualmente, são operadas pelas empresas Rumo ALL e MRS.

“Com isso, estamos dando um passo efetivo para viabilizar esses projetos e atrair investidores”, disse o deputado Vanderlei Macris (PSDB-SP), que participou ontem de encontro no Planalto. O compromisso foi firmado, segundo Macris, pelo presidente Michel Temer, em reunião que também contou com a participação do ministro dos Transportes, Maurício Quintella. “O presidente foi firme em sua colocação de que os projetos serão incluídos no programa e que terão acesso à faixa de domínio.”

Participaram ainda o secretário de coordenação de projetos do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI), Tarcísio Gomes de Freitas, o diretor-geral da Agência Nacional de Trans- portes Terrestres (ANTT), Jorge Bastos, o secretário de Transportes Metropolitanos de São Paulo, Clodoaldo Pelissioni, e o presidente da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, deputado Cauê Macris (PSDB).

Segundo o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, o projeto dependia apenas dessas confirmações do governo para que a oferta de parceria público-privada (PPP) do empreendimento seja apresentada ao mercado.

O governo paulista pretende incluir na licitação do trem de média velocidade o trecho 7 da CPTM, que seria incorporado ao projeto “para ajudar no funding” da proposta comercial. O traçado de 135 km ligaria São Paulo, Jundiaí, Campinas e Americana. O governo paulista não descarta ainda a possibilidade de a PPP ter contrapartidas financeiras da União, reunindo governos federal e estadual e a iniciativa privada.

MP. A permissão para atuar nas faixas de domínio das atuais concessionárias deverá ser incluída na Medida Provisória 752, que trata da renovação das concessões de ferrovias federais. O governo paulista quer contar com o traçado porque ficaria isento de custos com desapropriações, além de ter facilidade de fazer o licenciamento ambiental da área. Extensão

O projeto tem sido assessorado por técnicos do Banco Mundial. Trens de velocidade são aqueles que fazem viagem de até 200 km por hora, em média. O traçado pretendido pelo projeto é o mesmo que estava inserido no plano do trem de alta velocidade, que era defendido pelo governo Dilma.

No caso do projeto entre Brasília e Goiânia, a viagem teria 210 km. A ANTT deve apresentar em breve um Procedimento de Manifestação de Interesse, para testar o apetite do mercado pelo projeto. O custo total do projeto, uma viagem que duraria cerca de 1h30, está estimado em US$ 8,5 bilhões – ou US$ 40 milhões por quilômetro.



Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter
As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do site Revista Ferroviária.

 Notícias Relacionadas
Secretário acha “difícil” consórcio continuar e vê PPP como melhor saída para o VLT de Cuiabá
ANTAQ E ANTT se reúnem para discutir acessos ferroviários
ANTT regulamenta tarifa promocional para ônibus e trem



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, quinta-feira, 24 de agosto de 2017
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária