Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Imprensa



« Voltar
   

Recomendações do TCU já têm resultados nos portos, informam debatedores

26/04/2017 - Senado Notícias

O governo está tomando as providências para resolver os gargalos para a liberação das cargas em portos no Brasil e algumas delas já geraram efeitos concretos para os importadores. A informação foi dada por participantes de audiência pública promovida pela Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) nesta quarta-feira (26). A intenção foi debater esses gargalos e o andamento das providências solicitadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Em auditoria feita pelo Tribunal, foi constatado que uma das razões para a demora na liberação de cargas é a tramitação da Declaração de Trânsito Aduaneiro (DTA). O documento da Receita Federal permite o transporte de cargas dos portos para os demais recintos alfandegados, para que possa ser feita a verificação de procedência de sua nacionalidade. É exigida a presença de um servidor da Receita para inserir manualmente os dados sobre os contêineres e os veículos que farão o transporte das cargas.

De acordo com o secretário de Controle Externo do Tribunal de Contas da União (TCU) no Estado de São Paulo, Hamilton Caputo Delfino Silva, enquanto no Brasil o tempo de importação de uma mercadoria é de 15,5 dias, nos portos considerados de classe A no do exterior, a média é de 3 dias. Isso, segundo o secretário, acarreta aumento de custo.

— Existe uma relação muito estreita na ineficiência da liberação de cargas e o custo de transporte porque você tem o pátio dos terminais ocupado, os caminhões demorando muito dentro do pátio, uma baixa produtividade por caminhão. Isso tudo é custo. Existe uma série de outras implicações que importam em custo para o importador e para o exportador.

Além disso, foram constatados problemas como a disparidade entre os portos. Como exemplo, o representante do TCU citou o Porto de Santos, em que cerca de 50% dos contêineres eram fiscalizados, e o Porto de Vitória, em que esse percentual era de apenas 2%. A utilização de uma ferramenta de análise de riscos, segundo o técnico, poderia tornar o processo mais ágil, evitando a fiscalização de uma grande quantidade de contêineres e gerando economia para o importador.

 

Providências

 

O Coordenador-Geral do Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Fernando Mendes, informou que o órgão está trabalhando para atender todas as recomendações feitas pelo TCU. Entre as providências que serão tomadas está a atualização dos sistemas de informática, para a qual já foram liberados recursos. Essa atualização permitirá a adoção de procedimentos uniformes nas unidades por todo o Brasil.

Ele também citou a implementação de uma iniciativa coordenada pela Receita Federal que dá um tratamento diferenciado a empresas com histórico de conformidade com as normas. O programa Operador Econômico Autorizado, segundo o coordenador, pode permitir um processo mais rápido e ajudar na tomada de decisão por parte dos agentes de fiscalização.

Além disso, o ministério se comprometeu a dar agilidade a outra recomendação feita pelo tribunal: a elaboração e o envio, à Casa Civil, de anteprojetos para atualização de normas de fiscalização e da Lei da Vigilância Agropecuária Internacional.

— É um tema delicado, mas está sendo tratado pelo Ministério da agricultura, dentro da Secretaria de Defesa Agropecuária, e a gente acredita que, até o final do ano, esteja disponível na Casa Civil essa proposta — informou.

 

Processo digital

 

O Subsecretário de Aduana e Relações Internacionais da Secretaria da Receita Federal, Ronaldo Lázaro Medina, informou que o órgão reconhece os problemas apontados na auditoria e enumerou providências que serão concluídas até o final do ano para melhorar a situação. Entre elas está a aplicação, para o trânsito aduaneiro, do procedimento de recepção digital de documentos, sem a necessidade da presença de servidores da Receita para a entrega de documentos em papel.

— É uma entrega de documentos feita por escaneamento dentro da própria empresa, ou seja: não há nenhum esforço de transporte desses documentos e isso não está restrito ao horário de funcionamento de repartições públicas, ao horário de funcionamento do terminal portuário, explicou.

Além disso, também está em processo de elaboração o despacho sobre águas, que permite o início do processo de trânsito ocorra mesmo antes que a carga seja desembarcada. Outra medida que pode ser adotada é a adoção de um lacre eletrônico, que dispensaria a inserção manual por parte dos servidores e tornaria o processo mais ágil.  As informações seriam recebidas via transmissão de rádio por antenas na chegada e no destino, sem a necessidade de intervenção no processo.

 

Resultados

 

Alguns dos resultados das providências pedidas pelo TCU já podem ser sentidos nos terminais. Foi o que informou Marcelo D’Antona, integrantes do Conselho de Administração da Associação Brasileira dos Terminais de Contêineres de Uso Público (ABRATEC). Ele lembrou que o levantamento foi feito em 2014 e que, de lá para cá, já houve mudanças, como a redução do percentual de contêineres parados para a inspeção.

— Na época em que o trabalho foi feito, se apontou que o ministério da Agricultura tinha um percentual de seleção de contêineres para a conferência extremamente elevado, de 50%. Esse percentual caiu para 20% hoje. Eu atribuo isso, sem dúvida nenhuma, a ferramentas de gestão de risco — comemorou.

Para ele, a melhora é visível e concreta, graças à auditoria e às providências dos órgãos de governo envolvidos no processo. O senador Wellington Fagundes (PR-MT), que pediu a audiência, se mostrou satisfeito com os resultados.

Leia também: Porto de Santos recebe licença operacional do Ibama



Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter
As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do site Revista Ferroviária.

 Notícias Relacionadas
TCU recomenda paralisação de 11 obras de infraestrutura
TCU cobra do BNDES agenda de devolução
Para melhorar produtividade, TCU quer descentralizar licitação de porto



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, quarta-feira, 13 de dezembro de 2017
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária