Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Imprensa



« Voltar
   

Empréstimos do BNDES têm queda de 19% no ano

16/05/2017 - Estadão

 

16-05-17 -

Estadão - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) liberou em abril R$ 6,319 bilhões para empréstimos já aprovados, queda de 14% em relação a igual mês do ano passado, descontada a inflação. Nos quatro primeiros meses do ano, foram desembolsados R$ 21,443 bilhões, 19% menos que no primeiro quadrimestre de 2016. Em nota, o banco de fomento destacou que os dados, divulgados ontem, ainda refletem a recessão iniciada em 2014.

Por outro lado, o BNDES informou que o crédito para capital de giro, na linha Progeren, desembolsou R$ 2,2 bilhões entre janeiro e abril, alta nominal (sem descontar a inflação) de 339% em relação a igual período do ano passado. As aprovações de novos empréstimos na Finame, linha de financiamento de bens de capital, acumularam R$ 6,7 bilhões no primeiro quadrimestre, alta nominal de 38% ante o mesmo período de 2016.

As aprovações de empréstimos somaram R$ 18,248 bilhões até abril, queda de 4% quando se considera a inflação.

“O desempenho operacional do BNDES nos quatro primeiros meses confirma sinais de recuperação da economia com aumento das aprovações de crédito para o setor industrial e para a aquisição de máquinas e equipamentos”, diz a nota do BNDES.

Para o economista Antonio Corrêa de Lacerda, professor da PUC-SP, as linhas de curto prazo oferecidas pelo BNDES, como a de capital de giro, “amenizam” os efeitos da recessão sobre o endividamento das empresas, mas não bastam para impulsionar a recuperação. Assim como a melhora no crédito para bens de capital, o efeito desse tipo de financiamento na economia esbarra na elevada ociosidade das empresas.

“Na indústria, há um excesso de capacidade de oferta. A indústria até precisaria investir na modernização, mas não em expansão”, disse Lacerda.

O nível de utilização da capacidade instalada (Nuci), medido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), ficou em 77,1% em março. Para André Perfeito, economista-chefe da corretora Gradual Investimentos, é uma “ociosidade gigantesca”. Mesmo que a percepção de risco sobre a solvência fiscal do País no médio prazo melhore, derrubando os juros, faltarão motivos para investir. “Empresário não investe porque o juro é baixo, mas porque tem demanda”, afirmou Perfeito.

O desempenho dos empréstimos antigos do BNDES para a indústria segue no negativo, com queda nominal de 35% de janeiro a abril em relação aos quatro primeiros meses de 2016. As aprovações de novos financiamentos para a indústria somaram R$ 4,654 bilhões de janeiro a abril, alta de 34%, sem descontar a inflação.

No geral, as aprovações de empréstimos somaram R$ 18,248 bilhões até abril, queda de 4% quando se considera a inflação. As consultas, primeira etapa do pedido de financiamento, que servem de sinalização do apetite por investimentos, chegaram a R$ 6,316 em abril, somando R$ 27,548 bilhões no primeiro quadrimestre, queda de 31%.



Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter
As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do site Revista Ferroviária.

 Notícias Relacionadas
BNDES deve liberar recurso para obra da Linha Leste até março
BNDES vai dobrar crédito, diz Rabello
BNDES quer dosar participação na emissão de debêntures de infraestrutura



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, terça-feira, 12 de dezembro de 2017
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária