Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Imprensa



« Voltar
   

VLT e revitalização da Zona Portuária atraem mais turistas para o Centro da cidade

08/09/2017 - O GLOBO

A revitalização da Zona Portuária e a implementação do VLT no Centro do Rio mudaram os hábitos de turistas que chegam à cidade de navio. Visitantes que antes davam preferência a cartões-postais como Copacabana, Cristo Redentor e Pão de Açúcar agora incluem na agenda as atrações da região. Em um ano, o número de pessoas que usam o transporte público quadruplicou entre os que desembarcam no terminal do Píer Mauá. O percentual saltou de 4%, na temporada de cruzeiros de 2015/2016, antes de o sistema entrar em operação, para 16% (no período 2016/2017). Desse total, 9% usaram especificamente o VLT, 5% preferiram o metrô e 2%, ônibus.

A conclusão é da turismóloga Maraísa Esch, em sua tese de mestrado em engenharia de transportes pela Coppe/UFRJ. Maraísa apurou o efeito do VLT na maneira como turistas nacionais e estrangeiros se deslocam no Rio. Segundo ela, os navios não costumam pernoitar na cidade. Chegam por volta das 7h e partem até as 19h, o que dá aos passageiros apenas algumas horas para aproveitar os encantos cariocas. Com o novo meio de transporte na área do Porto, que passou a operar em junho do ano passado, e a remodelação da Orla Conde, mais visitantes estão caminhando ou usando o transporte público na região.

— O número de citações a lugares visitados no Centro e na área portuária aumentou consideravelmente entre as duas temporadas de cruzeiros. Nesse roteiro, o Boulevard Olímpico foi o campeão, seguido do Museu do Amanhã. Também aparecem o AquaRio, os Arcos da Lapa, o bairro de Santa Teresa, a Confeitaria Colombo e o Museu da Marinha — diz a pesquisadora. — Alguns turistas mencionaram ter feito todo o percurso do VLT como um passeio pela área central. Isso mostra o potencial desse trem para aprimorar a experiência de quem chega por navio à cidade.

Apesar de ter havido crescimento expressivo no uso do transporte público por parte de turistas, Maraísa destaca que o impacto do VLT no deslocamento ficou bem abaixo do que ela esperava. Principalmente porque, na primeira fase de entrevistas, antes de o VLT funcionar, 96% dos visitantes ouvidos disseram ter vontade de utilizar o bonde.

— A falta de informação foi o principal motivo que impediu mais turistas de usarem o VLT e circularem pelo Centro. Esse potencial turístico do bonde moderno não parece estar sendo aproveitado de maneira adequada — avalia Maraísa, que entrevistou 138 viajantes na primeira fase do trabalho e 140 na segunda, na alta temporada de cruzeiros, de novembro a março.

Segundo o estudo, muitos turistas que chegam à Zona Portuária afirmaram não ter usado o VLT por falta de informação precisa e confiável sobre o que fazer e como ir e voltar por conta própria, e em tempo hábil, até os respectivos locais de interesse na cidade. Maraísa diz ter constatado problemas de sinalização para os passageiros dos navios. Segundo ela, dentro do terminal havia uma única máquina para a venda de bilhete. Mal localizada, mais parecia um caixa eletrônico. O painel com informações sobre o VLT, no alto, exibia informações incompletas, e os folhetos com mapas da região eram antigos, ainda sem as estações do VLT.

Para corrigir o problema, e explorar melhor o bonde como ferramenta turística, Maraísa sugere duas medidas. A mais urgente: melhorar a divulgação do VLT no terminal do Píer Mauá e em outros pontos de chegada à cidade, como aeroporto e rodoviária. A outra é implantar integração tarifária do VLT com os demais meios de transporte.

— A integração existe em termos físicos com o Píer Mauá e o metrô, e é boa. Mas, na questão tarifária, o sistema deixa a desejar. A impressão dos turistas é de que usar o VLT com outros modais fica caro ou confuso, porque a passagem não permite o uso de outros meios de transporte — ressalta a pesquisadora.

 

LINHA EM EXPANSÃO

 

A concessionária VLT Carioca, que explora o serviço do bonde, tem planos para melhorar a sinalização. Segundo a assessoria de imprensa da empresa, até o fim do ano serão instalados painéis em pontos estratégicos da região, como Aeroporto Santos Dumont, Píer Mauá e Rodoviária Novo Rio. Eles terão nova identidade visual e mais explicações sobre valor de passagem, itinerários e como comprar bilhetes e usar o bonde.

Quando começou a operar, o VLT transportava 25 mil pessoas por dia. Hoje, são 40 mil, um aumento de 60% no volume de passageiros em pouco mais de um ano. Atualmente, são duas linhas: a 1, ou azul, que liga a rodoviária ao Santos Dumont; e a 2, ou verde, que faz o trajeto Praça Quinze-Saara. Até o fim do ano, essa linha também chegará à Novo Rio, passando pela Central, onde fará integração com o Terminal Américo Fontenelle.

Em relação à integração tarifária, o VLT Carioca — que custa R$ 3,80 — informa ter interesse em manter contato com outros operadores de transporte. A única integração é com os ônibus municipais, pelo sistema do Bilhete Único, em que o passageiro pode usar VLT e ônibus pagando uma só passagem, no período de duas horas e meia.



Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter
As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do site Revista Ferroviária.

 Notícias Relacionadas
Fabricante de bondes do VLT carioca suspende contrato com concessionária
VLT carioca ganha hoje segunda linha, que liga Praça Quinze à região da Saara
Resultado do VLT carioca deve ser publicado hoje



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, terça-feira, 19 de setembro de 2017
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária