Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Imprensa



« Voltar
   

Justiça suspende licença para implantação de barragem da Vale em Minas Gerais

31/10/2017 - G1

A Justiça de Minas Gerais suspendeu a concessão de licença para a implantação pela Vale de uma barragem de contenção de resíduos, chamada de “Maravilhas III”. A liminar desta segunda-feira (30), da 1ª Vara da Fazenda Pública e Autarquias da Comarca de Belo Horizonte, determina que o governo do estado não conceda qualquer licença e proíbe a mineradora de realizar qualquer ato de implantação da estrutura. A multa diária em caso de descumprimento é de R$ 500 mil.

Por meio de nota, a Vale informou que não foi intimada da decisão.

O G1 entrou em contato com a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad).

A mineradora pretende construir a barragem para a continuidade das operações das minas do complexo Vargem Grande, localizadas em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, e da mina do Pico, em Itabirito, na Região Central de Minas. Conforme a empresa, a estrutura foi projetada para ocupar uma área de 44 hectares e a intenção da Vale é que a barragem seja implantada em três anos.

Na última quinta-feira (26), o Ministério Público (MP) ajuizou uma ação civil contra a Vale e o estado e argumentou que a obra colocaria em risco a vida de centenas de pessoas. Ainda de acordo com o órgão, existem famílias morando perto de onde a barragem pode ser construída, e, em caso do rompimento, não haveria como a área ser desocupada.

De acordo com o MP, mesmo com o alerta de risco à população, o governo de Minas, por meio Superintendência de Projetos Prioritários (Suppri), sugeriu o deferimento das licenças de instalação e operação da estrutura. Os promotores destacam ainda que o deferimento foi feito “de maneira inacreditável e absolutamente precipitada”.

“Saliente-se que a recomendação elaborada pelo próprio Estado de Minas Gerais evidencia, com nitidez, a ausência de estudos complementares e essenciais à imprescindível conclusão da análise de viabilidade pelo órgão ambiental, porquanto, havendo a possibilidade de ‘situações de risco impossíveis de serem mitigados por medidas técnicas’, conforme descrito no parecer, não se mostra minimamente razoável a concessão das licenças de instalação e operação concomitantes do empreendimento”, descreve o texto, assinado por cinco promotores.

A decisão da Justiça lembrou o rompimento da barragem de Fundão, da Samarco – controlada pela Vale e pela BHP Billiton –, e afirmou que o desastre “deveria ser suficiente para rechaçar a utilização de vetustas barragens de rejeitos, há muito ultrapassadas por tecnologias existentes e disponíveis para o mesmo fim”. A estrutura se rompeu em novembro do 2015, deixando 19 mortos e devastando o Rio Doce.

A ação do MP acrescentou ainda que a barragem Maravilhas III está projetada para receber 109 milhões de metros cúbicos de rejeitos de mineração, cerca de três vezes mais do que a quantidade despejada com o rompimento da barragem de Fundão.

Além disso, segundo os promotores, em caso de rompimento da barragem Maravilhas III, os rejeitos poderiam atingir a Estação de Tratamento de Água Bela Fama, da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), responsável por abastecer aproximadamente 48% da população da Região Metropolitana de Belo Horizonte.



Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter
As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do site Revista Ferroviária.

 Notícias Relacionadas
Vale registra recorde anual de produção de minério de ferro em 2017
Com 'ajustes', valor da venda de ativos da Vale para a Mosaic diminui
Vale será mineradora que vai gerar mais valor aos acionistas, diz presidente



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária