Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Imprensa



« Voltar
   

Rumo diz ter R$ 6 bi para alongar Ferronorte

27/11/2017 - Valor Econômico

Num aceno ao governo para que antecipe a renovação de suas concessões, a Rumo Logística, uma das maiores empresas do ramo no Brasil, garante que já levantou os R$ 6 bilhões - sem apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) - para viabilizar, em quatro anos, uma extensão de 650 quilômetros da controlada Ferronorte, ligando Rondonópolis a Sorriso, no Mato Grosso.

O dinheiro viria do caixa próprio da companhia e de investidores estrangeiros, que já demonstraram interesse em entrar no negócio, disse o presidente-executivo da Rumo, Júlio Fontana Neto, no "Fórum Ferrovias e a Integração dos Modais", em Nova Mutum (MT), região médio-norte do Estado. "Não vai ter um centavo de dinheiro público", disse ele.

Com esses investimentos, a concessionária teria a oportunidade de avançar justamente até o médio-norte do Mato Grosso, região que mais produz soja e milho no Estado, que é o líder na produção brasileira de grãos. Hoje, a Ferronorte parte de Rondonópolis (MT) e se conecta à Malha Paulista - outra concessão da companhia, que corta São Paulo - até o Porto de Santos (SP), onde a empresa detém 50% da movimentação de cargas.

"Pela lei, eu posso pedir ao BNDES, mas queremos fazer com investimentos próprios", afirma Fontana Neto. "Mas já fizemos estudo do traçado, localização dos terminais de transbordo. O futuro da companhia é chegar mais perto do centro de produção", lembrou o executivo.

Por outro lado, Fontana observou que, antes da extensão da Ferronorte sair do papel, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) precisa renovar por 30 anos a concessão na Malha Paulista. A ANTT, no entanto, até chegou a estimar para outubro a assinatura dessa renovação, mas ainda avalia o pedido.

Em vigor desde maio, a MP das Concessões, que permitiu a prorrogação de várias concessões de infraestrutura do país, flexibilizou as regras para as concessionárias de ferrovias pedirem a renovação antecipada de seus contratos. Justamente o que defende a Rumo. A concessão da Malha Paulista vence em 2028, enquanto a da Ferronorte vence em 2079, por exemplo - as duas malhas se conectam.

Fontana Neto também voltou a estimar que, somente por conta da prorrogação da Malha Paulista, a capacidade total de transporte de grãos pela Rumo deve mais que dobrar a capacidade de transporte, para 75 milhões de toneladas, dentro de cinco anos. Hoje, a companhia movimenta 35 milhões de toneladas ao longo de 12,9 mil km de trilhos suas quatro ferrovias.

Além das malhas Paulista e da Ferronorte, a concessionária opera as malhas Oeste e Sul. "Já estamos na fase final dos investimentos na Malha Paulista, que começaram nos últimos anos e vão totalizar R$ 4,7 bilhões", disse.

Ao mesmo tempo em que se estusiasma com as oportunidades geradas pela possível ampliação da Ferronorte, porém, a Rumo descarta qualquer interesse na Ferrogrão, concessão desenhada pelo governo que só deve ser licitada em 2018 e que ligaria Sinop (MT) a Miritituba (PA). "Hoje, a Ferrogrão não é interessante para a Rumo. Meu negócio é mais ir para baixo, do que para cima [Arco Norte]", concluiu Fontana.



Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter
As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do site Revista Ferroviária.

 Notícias Relacionadas
ANTT anuncia recuperação de ferrovias da região de Barretos
ANTT lança rede inteligente de mapeamento logístico
ANTT publica plano de outorga da ferrovia Norte-Sul



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, segunda-feira, 21 de maio de 2018
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária