Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Imprensa



« Voltar
   

BNDES quer dosar participação na emissão de debêntures de infraestrutura

28/11/2017 - Isto é

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) entende ser necessário permitir ao mercado de capitais maior participação nas emissões de debêntures de infraestrutura, disse a superintendente do instituição, Luciene Machado, durante Forum de Investidores de Projetos de Infraestrutura realizado pela Fitch Ratings, em São Paulo. “Precisamos dosar nossa participação, ainda que desejemos sempre estar muito inseridos nessas emissões”, destacou. Luciene frisou ainda que, provavelmente, uma solução viável seria o caminho do meio, onde tanto o banco quanto o mercado pudessem ter uma participação satisfatória.

O comentário deriva de uma crítica antiga do mercado de capitais, basicamente dos estruturadores das ofertas, por conta da atuação bastante decisiva do banco de fomento na estruturação e distribuição das debêntures de infraestrutura, que estão atreladas a projetos financiados pelo BNDES. Entre os motivos dessa ingerência do BNDES nas debêntures está o fato de o banco ser, normalmente, o maior financiador do projeto e, portanto, detentor das maiores garantias.

Segundo dados mostrados pelo banco, foram emitidos R$ 19,9 bilhões de debêntures de infraestrutura de 2012 a fevereiro de 2017, em 79 projetos.

Ela comentou ainda que o BNDES entende que, a partir de 2019, a agenda de infraestrutura ganhará maior tração, uma vez que, naturalmente, 2018 deve ser um ano ocupado pelas eleições. Por isso, o banco tem se debruçado num trabalho interno para aperfeiçoar as condições de financiamento dos projetos, ainda que sua participação venha a ser menor.

“O banco não se vê fora do financiamento de infraestrutura e estamos no meio de um processo sobre como nos reposicionarmos, pelo qual temos a missão de sugerir aperfeiçoamento e melhorias para financiamento dos projetos, em seus mais diversificados aspectos”, disse Luciene Machado.

Ela frisou ainda que, apesar das falhas da modelagem que levaram alguns projetos a não se tornarem viáveis, é importante não descartar a experiência do passado e simplesmente tentar começar tudo do zero. Ela mencionou ainda que o BNDES está buscando, nessa agenda das novas diretrizes de financiamento da infraestrutura, atender à demanda de todas as partes envolvidas nos projetos.

“Nos últimos anos, entendemos que há uma evolução e que tudo começa com um bom projeto, com visão de planejamento e tecnicamente adequado, atendendo às demandas de todos os envolvidos”, afirmou.

Luciene lembrou que o banco está ainda estabelecendo novas experiências frente a um crescente relacionamento com investidores estrangeiros que, muitas vezes, trazem seus próprios financiadores. Destacadamente os asiáticos, disse ela, tem sido necessário entender como se dá o financiamento de outras fontes, “um modelo diferente do que o banco praticava quando era 70% do financiamento”. Segundo ela, esse é um dever de casa que a instituição está fazendo e uma necessidade permanente.



Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter
As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do site Revista Ferroviária.

 Notícias Relacionadas
Apesar dos avanços, investimento em infraestrutura é insuficiente no Brasil
Investimento em infraestrutura é oportunidade de superar a crise
BNDES deve liberar recurso para obra da Linha Leste até março



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária