Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Imprensa



« Voltar
   

MP vê prejuízo de R$ 184 mi com compra de trens para Linha 5-Lilás

18/04/2018 - Estadão

O Ministério Público Estadual (MPE) estima que o prejuízo causado aos cofres do Estado pela compra dos 26 trens para a Linha 5-Lilás do Metrô, que ficaram até dois anos parados nos pátios da companhia, seja de R$ 184 milhões. O valor, agora cobrado dos nove réus da ação, corresponde a 30% dos R$ 615 milhões investidos entre 2011 e 2016 com a compra das compra dos trens, entre contratos e aditivos.

O contrato para a aquisição dos trens da empresa espanhola CAF foi assinado em 2011, quando o secretário dos Transportes Metropolitanos era Jurandir Fernandes e o presidente da empresa, Jorge José Fagali. Também assinaram os contratos o então diretor de planejamento da empresa, Laércio Mauro Santoro Biazzotti, e o gerente de concepção de projetos, David Turbuk. O promotor Marcelo Milani argumenta que os acordos foram mantidos mesmo com a paralisação das obras.

Os outros réus da ação são os presidentes do Metrô subsequentes, que deram andamento aos contratos: Sérgio Avelleda (de janeiro de 2011 a abril de 2012), Peter Walker (de abril de 2012 a junho de 2013), Luiz Antonio Carvalho Pacheco (de junho de 2013 a março de 2015), Clodoaldo Pelissioni (de março a setembro de 2015) e Paulo Menezes Figueredo, que a exerce o cargo desde setembro de 2015. Pelissioni deixou a companhia para assumir o cargo de secretário. Avelleda ocupou a Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes da capital e hoje é chefe de gabinete do prefeito Bruno Covas (PSDB).

Ao descrever a ação, o juiz Adriano Marcos Laroca, da 12.ª Vara da Fazenda Pública, cita trecho da ação em que o promotor afirma que, “a despeito da paralisação das obras em 2010, o Metrô manteve a compra dos 26 trens, sem ‘qualquer explicação aparente’. Aqui, aduz que o presidente do Metrô à época o corréu Sérgio (Avelleda), além dos réus Jurandir, David e Laércio, por tal compra açodada, assumiram o risco de causar dano aos cofres públicos, até porque os trens, sem o término das obras, sequer podem ser submetidos a testes”.

 

Respostas

 

Por meio de nota, a Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos informou que “a ação é descabida e totalmente fora de propósito, uma vez que não houve irregularidade na aquisição dos equipamentos”.

Diz o texto que “todos os trens foram devidamente testados e já entraram em operação comercial, com garantia técnica em plena vigência”. “Não houve gasto extra para a manutenção das composições. Ao longo do processo, todos os gestores preservaram o erário e o interesse público. A Secretaria dos Transportes Metropolitanos e o Metrô vão provar na Justiça a lisura do contrato.”

“Cabe salientar que é injustificada, como o restante da denúncia, a inclusão do secretário Clodoaldo Pelissioni e do presidente do Metrô, Paulo Menezes, entre os acusados. Ambos só passaram a exercer os cargos quatro anos após a compra. O Metrô entregou seis estações da Linha 5 até 2011 e outras seis foram entregues desde 2015 até o momento”, continua o texto, que conclui: “Importante informar também que as bitolas dos trens diferem das demais justamente porque foram comprados para atender à Linha 5, onde a distância entre trilhos é menor em toda extensão. A ela, todas as composições se ajustam perfeitamente”.

O advogado Marco Aurelio Chagas Martorelli, encarregado da defesa do ex-secretário Jurandir Fernandes, afirma que o dirigente “é um profissional de excepcional qualidade e inegável compromisso com a integridade da administração pública”. “O MP não apresentou qualquer prova ou indício de ‘conduta deliberada para lesar os cofres públicos’, como quer a peça acusatória. Na peça de defesa juntada ao processo, diz ainda que os contratos firmados por Fernandes eram de anuência aos termos já contratados pelo Estado com a empresa CAF, ou seja, o cumprimento de seu dever legal é amparado por pareceres técnicos.”

A defesa de Sérgio Avelleda afirma que ele “é inocente, não é acusado de fraude e não assinou o contrato de compra dos trens”. “Mesmo não tendo participado da referida contratação, Avelleda comprovará em juízo que não houve qualquer ato na gestão do referido contrato que justifique a ação contra ele.” A defesa cita que os contratos de garantia dos trens foram estendidos. A reportagem não conseguiu contato com os defensores dos demais citados. A CAF, que não é citada na ação, não comenta contratos por questão de sigilo.

 

Promessa é de mais 5 estações neste ano

 

A promessa do governo do Estado é que a Linha 5-Lilás do Metrô receba mais quatro estações no mês que vem. São elas: AACD-Servidor, Hospital São Paulo, Santa Cruz e Chácara Klabim. As duas últimas terão conexão com as Linhas 1-Azul e 2-Verde, respectivamente. Em dezembro, a previsão é de entrega da Estação Campo Belo.

 


- Fonte: http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,mp-ve-prejuizo-de-r-184-mi-com-compra-de-trens-para-linha-5-lilas,70002274589




Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter
As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do site Revista Ferroviária.

 Notícias Relacionadas
Passeios com trens turísticos no Sul atraem mais de 50 mil pessoas
Sem novas encomendas, fabricantes de trens sugerem propostas para aquecer o mercado
Maior operadora de trens japonesa estuda retirar maquinistas



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, sexta-feira, 17 de agosto de 2018
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária