Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Imprensa



« Voltar
   

Área plantada de soja voltará a aumentar

24/05/2018 - Valor Econômico

As surpresas positivas para os produtores brasileiros de soja na safra que está chegando ao fim e as perspectivas de demanda aquecida nos próximos meses voltarão a motivar um expressivo aumento da área plantada com o grão no país na temporada (2018/19), cuja semeadura terá início em setembro.

Com a rentabilidade em alta graças ao tombo da colheita na Argentina e à disputa comercial entre Estados Unidos e China, fatores que geraram altas de preços e prêmios nos últimos meses, analistas passaram a projetar que o aumento da área será de até 1,5 milhão de hectares.

Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), foram semeados 35,1 milhões de hectares de soja no ciclo 2017/18, ante 25 milhões em 2011/12. Como nas últimas safras, a expansão deverá acontecer sobretudo em áreas antes dedicadas a pastagens, ainda que áreas protegidas também fiquem mais suscetíveis a desmatamentos ilegais.

Se a recente guinada dos preços já justifica as previsões mais otimistas para o próximo plantio, a expectativa de que a demanda pela soja permaneça firme na safra 2018/19, mesmo com o arrefecimento da disputa sino-americana, corrobora a tendência.

Segundo o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), as exportações brasileiras do grão alcançarão 72,3 milhões de toneladas em 2018/19, 1 milhão a menos que em 2017/18, mas patamar ainda elevado, quase 10 milhões de toneladas superior ao do ciclo 2016/17.

Em parte, a previsão do USDA encontra suporte nas previsões do próprio órgão para a área plantada com soja nos EUA em 2018/19 - 36 milhões de hectares, 1% menos que em 2017/18. "A gente vai entrar em mais um ano-safra apertado, com déficit global de soja entre 2 milhões e 3 milhões de toneladas. E isso deve sustentar a demanda e, consequentemente, os preços", diz Guilherme Belotti, analista de agronegócios do Itaú Unibanco.

Nesse contexto, a cereja do bolo é o câmbio, atualmente muito mais vantajoso para os exportadores que no início deste ano e que já vem engordando os lucros de produtores e tradings. E isso em um momento de retração dos prêmios pagos pela soja brasileira nos portos do país, até por causa do armistício de Washington e Pequim.

"De qualquer forma, o patamar de prêmios registrados em 2017 não foi ruim, ficou acima da média dos últimos cinco anos", diz Ana Luiza Lodi, analista da INTL FCStone. Mas os picos de quase US$ 2 por bushel (medida equivalente a 27,2 quilos) como os registrados recentemente no porto de Paranaguá, reflexo da disputa entre EUA e China e EUA, já ficaram para trás.

No front doméstico, a demanda também está em ascensão. Segundo Ana Luiza, com a quebra de safra na Argentina as compras do grão para processamento aumentaram no país. "Há uma janela aberta para exportações de farelo de soja, e os EUA não conseguem ampliar muito a produção, uma vez que as indústrias do país já operam quase no limite".

Projeções da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) apontam para embarques de 17 milhões de toneladas de farelo de soja em 2018, quase 20% mais que em 2017.

"Todo esse cenário em 2017/18 elevou a margem operacional do produtor em Mato Grosso de 29%, cálculo no início da safra, para 36%", afirma Victor Ikeda, analista do Rabobank. Segundo ele, o valor atual dos contratos futuros da soja com entrega para 2019 indica que uma margem operacional para o produtor mato-grossense, com custos já fixados, da ordem de 38%.

Assim, em Mato Grosso, que lidera a produção da oleaginosa no Brasil, a primeira estimativa do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea/Famato) para a área plantada em 2018/19 aponta para um aumento de 1,2%, para 9,6 milhões de hectares.

De acordo com Ikeda, do Rabobank, também haverá expansão da área plantada na região conhecida como Matopiba - confluência entre Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia - e no Pará. "Há espaço para crescer nessas regiões. Deveremos ver bastante área de pastagem virando lavoura", diz.

Segundo Luiz Stahlke, assessor de agronegócio da Associação de Agricultores Irrigantes da Bahia (Aiba), a área com soja no Estado deverá crescer, no mínimo, 3% em 2018/19 ante o ciclo atual. "Esse aumento é avanço sobre áreas novas. Ainda é cedo para estimar a área de migração entre culturas", diz.

Na Bahia, o aumento da produção também deverá refletir incremento de produtividade. De acordo com o assessor da Aiba, em 2016/17 a safra de soja rendeu 62 sacas de 60 quilos por hectare no Estado, média que deverá chegar perto das 65 sacas por hectare no ciclo corrente. "Aqui no Estado, o produtor deverá investir mais para melhorar a produtividade do que em áreas novas. Temos visto isso", afirma.

 

- Fonte: http://www.valor.com.br/agro/5545891/area-plantada-de-soja-voltara-aumentar




Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter
As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do site Revista Ferroviária.

 Notícias Relacionadas
Área comercial de Metrô paulista tem m² mais caro que em shopping center
Sem caminhões, soja lota galpões em Goiás
Exportação de soja em grão vai atingir quase US$ 30 bi



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, terça-feira, 19 de junho de 2018
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária