Usiminas investirá US$ 750 milhões na J. Mendes

Eufórica com a aquisição da J. Mendes, que vai garantir seu suprimento de minério de ferro e ainda alguma sobra para venda no mercado, a Usiminas já pensa projetos mais ousados para o novo negócio. A siderúrgica mineira já cogita a construção de uma pelotizadora, utilizando a geração de cerca de um quarto de minério superfino (pellet-feed). Com investimentos de US$ 750 milhões, o plano da empresa é elevar a produção das quatro minas da J. Mendes a 29 milhões de toneladas em 2013. 


A pelotizadora poderia fazer 6 milhões ou 7 milhões de toneladas, admitiu Rinaldo Campos Soares, presidente da Usiminas, que ontem detalhou a compra e planos futuros para a J. Mendes. Um empreendimento desse porte não sai por menos de US$ 400 milhões. Fazer pelotas agrega valor a minério superfino, que tem o menor preço. 


Mas a prioridade da Usiminas, depois de assumir a gestão em 1º de fevereiro, é acelerar a expansão da empresa, cuja capacidade é de 6 milhões de toneladas, mas está produzindo em torno de 4,5 milhões. Numa primeira fase, que vai até 2009, o desembolso chega a US$ 150 milhões para elevar sua capacidade de produção a 13 milhões de toneladas. “Prevemos cinco anos para atingir esse volume”, disse Soares. Esse valor inclui cerca de US$ 30 milhões em pesquisas geológicas para se conhecer o volume exato da reserva de minério de ferro das quatro áreas. 


A partir de 2010, a siderúrgica inicia o investimento mais pesado – US$ 600 milhões – para alcançar 29 milhões de toneladas de produção. Terá de construir uma grande instalação para concentrar o minério. Isso é necessário para enriquecer o ter metálico do mineral, de 46% a 48%. Esse teor tem de ser elevado a 66%, índice adequado para uso nos altos-fornos das usinas de aço. A Usiminas prevê o seguinte mix de produtos: 2 milhões de toneladas de granulado, 20 milhões de sinter-feed (minério fino) e 7 milhões de pellet-feed. 


Segundo Soares, a idéia é abastecer quase totalmente a usina da Cosipa, em Cubatão (SP), daqui a dois anos. Para isso, uma das medidas é fazer um trecho ferroviário de 28 km para interligar a mina aos trilhos da MRS Logística, na qual a Usiminas é uma das acionistas controladoras, com Vale do Rio Doce, CSN e Gerdau. Hoje, o produto é tirado em caminhão. 


Até 2015, a J. Mendes terá de manter venda de 2 milhões de toneladas por ano à Vale, por conta de contrato de longo prazo firmado com a mineradora. A Vale é a maior fornecedora da Usiminas, que consome 13 milhões de toneladas por ano, e deve manter o volume para a usina de Ipatinga. 


O valor da aquisição da J. Mendes poderá atingir US$ 1,9 bilhão caso a reserva medida e auditada alcance 1,4 bilhão de toneladas, o dobro da reserva estimada hoje. Mesmo assim, com investimento de US$ 750 milhões necessário para ampliar a produção, Soares afirma tratar-se de “um bom e estratégico negócio”. Segundo ele, as perspectivas são de aumento da demanda mundial ainda por mais quatro a cinco anos, puxada pela China. “O minério dela é pobres; por isso, continuará a importar”. 


Outro fator. Mesmo que os preços se estabilizem, segundo Soares, devem ficar em patamares elevados. “Jamais veremos venda de placa de aço a US$ 150 a tonelada de alguns anos atrás”. O produto, hoje, vale quase US$ 600. A Usiminas, afirma, ficará completamente protegida de variações futuras no preço do minério. Ele informa que minério de ferro, carvão e coque e energia elétrica respondem por 40% do custo de produção do aço. 

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.
Fonte: Valor Econômico

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*