Linha férrea de Juiz de Fora gera discussão

O assunto é polêmico e vem sendo discutido desde o fim da década de 90: a passagem de trens pela área urbana de Juiz de Fora. Quem tem pressa reclama que perde tempo esperando o trem passar. Já especialistas apostam em uma adaptação no trânsito e garantem que é possível manter o desenvolvimento da cidade sem perder a mineiridade.


Juiz de Fora cresceu às margens da linha férrea e parece ter se acostumado a essa companhia. São 30 composições por dia, cada trem mede um quilômetro e meio e leva e traz 134 vagões com capacidade para 130 toneladas. Desce de Minas para o Rio de Janeiro carregado de minério e corta a área urbana de Juiz de Fora de Norte a Sul, em um trecho de 20 quilômetros de extensão a 25 quilômetros por hora.


Mas a passagem do trem na cidade não chega a ser o maior problema do trânsito, apontado por todos que utilizam as travessias. São muitos debates e várias discussões por causa da possível transposição da linha férrea do Centro da cidade para a periferia. Mas fica a dúvida: a medida resolveria o trânsito de Juiz de Fora?


Não é o que pensa o arquiteto do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB/MG) Marcos Olender. “Sou permanente contra a tranposição da linha férrea. Conter essa linha, isolá-la, criar passagens, mergulhões, viadutos seria uma medida muito mais barata. Outro ponto é que daqui a um tempo a cidade pode pensar na utilização dessa linha férrea como um alternativa segura e viável para o transporte de massa”, explica.


A MRS Logística, empresa que tem a concessão da malha ferroviária desde 1996, tem um plano de crescimento e transporte para Juiz de Fora.


O que está no Código de Trânsito Brasileiro, e é ensinado até nas escolas, nem sempre é cumprido quando o trem está próximo. Com isso, os acidentes tornam-se inevitáveis. Em um ano foram registrados quatro acidentes com vítimas na linha férrea de Juiz de Fora. A maioria deles, segundo a MRS, por imprudência e até distração de pedestres e motoristas.


Mas agora a prova pode ser tirada. Foram instaladas câmeras em pontos críticos de travessias e elas ficarão de olho em tudo que acontece.


Segundo o gerente da MRS, Sérgio Carrato, as câmeras vão poder ajudar não só os órgãos de trânsito da cidade, como também criar um monitoramento para as operações de logística. Principalmente devido à imprudência das pessoas em transpor a linha férrea.


Segundo a Polícia Militar (PM), este ano um acidente foi registrado na Rua Francisco Bernardino, no Centro da cidade. Não houve atropelamento, mas no momento em que o trem passava uma mulher teria ficado presa entre a mureta de proteção e a linha férrea.


Vale lembrar que a linha férrea que liga Juiz de Fora ao Rio de Janeiro está interditada desde a tarde de sábado (15) quando um deslizamento de terra provocou o descarrilamento de sete vagões.


Técnicos trabalham no local do acidente, perto da hidrelétrica de Marmelos. A previsão é que a situação seja normalizada e o tráfego ferroviário liberado até sexta-feira (21).


No caso de acidentes com veículos, o Código Nacional de Trânsito é claro: parar o carro em cima da linha do trem é infração gravíssima. A multa é de R$191,54 e somam sete pontos na carteira.

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.
Fonte: Mega Minas

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*