Valec adia Norte-Sul pela 3ª vez

Na quarta promessa de entrega do trecho goiano da Ferrovia Norte-Sul, o presidente da Valec, José Francisco das Neves, o Juquinha, anunciou ontem que as obras ficarão prontas apenas no final de junho. A promessa inicial, contida no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo federal, era de inauguração o intervalo entre Palmas (TO) e Anápolis (GO) em julho de 2010. Passou para dezembro, quando o ex-presidente Lula veio a Goiás e garantiu entrega no fim de abril de 2011.


A dois meses da nova data estabelecida, a Valec novamente anuncia o atraso nas obras e a entrada em operação no segundo semestre do ano. Juquinha não esclareceu os motivos para o novo adiamento, mas garantiu, durante homenagem recebida no Palácio das Esmeraldas, que o trabalho está avançado. “No trecho de Palmas até Anápolis chegamos a ter o pico de 17 mil homens trabalhando 24 horas por dia. Hoje já se reduziu bastante porque a ferrovia está chegando ao final.”


No mês passado, a Valec anunciou o início das obras do ramal sul da ferrovia, que ligará Anápolis a Estrela D’Oeste (SP). O trecho deve ficar pronto apenas em 2012. Segundo Juquinha, a soma de investimento em ferrovias este ano no Estado vai superar R$ 4 bilhões. “Daqui a São Paulo, estamos prevendo 10 mil empregos diretos e mais 30 mil indiretos”, afirmou.


Em balanço de quatro anos do PAC divulgado em dezembro, o governo federal informou restar ainda 26% de execução do trecho Palmas-Uruaçu (GO) e 14% entre Uruaçu e Anápolis. Na ocasião, Juquinha culpou as chuvas pela demora nas obras.


Trem pequi


No encontro de ontem, Juquinha e o governador Marconi Perillo (GO-PSDB) ressuscitaram a proposta de implantação de trem entre Goiânia e Brasília. Prometido há sete anos, por Marconi e Joaquim Roriz, à época governador do Distrito Federal, o projeto de trem mudou de alta para média velocidade.


A proposta de implantação de ramal da Norte-Sul foi apresentada por Juquinha e o ex-governador Alcides Rodrigues (PP), em 2009, durante viagem a China.


Na ocasião, Juquinha afirmou que a proposta estava em estudo. Ontem, ele voltou a repetir que estão sendo feitos estudos para a construção do ramal. Segundo ele, o projeto custará cerca de R$ 1 bilhão. Marconi afirmou que a obra revolucionará as relações entre Brasília e Goiânia e “possibilitará a criação de um grande cinturão de desenvolvimento e prosperidade”.


Marconi se disse entusiasmado por saber dos estudos da Valec. “Eu me incorporo ao plano de corpo e alma, porque, com as obras que já estão sendo feitas, e esses projetos que poderão ser construídos, vamos transformar Goiás no estado da logística no Brasil.”


Juquinha prevê que a inauguração da obra entre a capital federal e Goiânia aconteça até 2014. Questionado sobre a fonte de investimentos, afirmou que “quem faz os recursos é a força do trabalho”. “E a disposição do governador é total e a do presidente da Valec, também”, completou.


Marconi entregou a Juquinha a medalha da Ordem do Mérito Anhanguera grau Grã Cruz, em almoço com a presença de aliados e auxiliares do governo. “A Ferrovia Norte-Sul é o maior acontecimento registrado em nosso Estado nos últimos 50 anos e o grande responsável por esta obra, além, é claro, dos presidentes da República, é Juquinha das Neves, esse goiano talentoso e competente”, disse.


Celg é tema de reunião entre Marconi e Palocci


Em reunião que precede audiência com a presidente Dilma Rousseff, o governador Marconi Perillo esteve ontem com o ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci. O principal assunto foi a negociação da Celg, considerada o principal gargalo do Estado, mas houve espaço também para outras demandas.


A assessoria do governo estadual informou que Palocci garantiu a Marconi que não haverá “qualquer discriminação por razões políticas” e que Goiás receberá do governo federal o mesmo tratamento dado a outros Estados. Segundo o governador, Palocci disse que “reconhece a destacada importância de Goiás no contexto nacional”.


O governo espera para esta semana uma resposta do Ministério de Minas e Energia sobre o plano de recuperação da Celg proposto pela gestão estadual e que prevê empréstimo de R$ 2,7 bilhões da Caixa Econômica Federal para saldar as contas da companhia, além da venda de 49% das ações.


Segundo informações do Palácio do Planalto, Marconi solicitou há cerca de duas semanas uma audiência com a presidente Dilma. Palocci ficou encarregado de conversar antes com o governador e colher informações sobre as principais demandas.


Esta semana, representantes do governo devem voltar a buscar contatos no ministério e na Eletrobras para tratar da proposta de acordo.

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.
Fonte: O Popular

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*