A força da locomotiva econômica do Brasil

Ao longo de 2011, a economia brasileira perdeu gradualmente boa parte do brilho que havia encantado o mundo no ano anterior. Ao final, o produto interno bruto havia crescido 2,7%, apenas uma sombra dos 7,5% de 2010.


Mesmo nesse ambiente mais adverso, a elite empresarial do país mostrou força. É o que revelam alguns dados preliminares de Melhores e Maiores — edição especial de EXAME que chega às bancas no dia 5 de julho.


De acordo com essa prévia, as 500 maiores empresas do Brasil obtiveram faturamento líquido de 1 trilhão de dólares em 2011, um aumento real de 6% em relação ao ano anterior — ou mais que o dobro do crescimento do conjunto da economia. Em 2010, o bloco das 500 também havia crescido acima da expansão do PIB: 9,5%.


Os números evidenciam que as grandes corporações do país têm aproveitado bem as vantagens da economia de escala para ficar cada vez maiores. Com fornecedores, clientes e operações em vários mercados, elas têm poder de barganha para reduzir os custos de matérias-primas e buscar os melhores preços para seus produtos. A baixa concorrência no país­ também ajuda.


“O mercado brasileiro, em vários setores, é controlado por poucas empresas, o que permite que as maiores mantenham os preços e obtenham receitas altas mesmo em tempos de crescimento econômico reduzido”, afirma Samy Dana, professor de finanças da Fundação Getulio Vargas.


As vantagens competitivas das grandes corporações, diga-se, não são exclusividade do Brasil. As 50 maiores empresas do ranking da revista americana Fortune tiveram uma expansão conjunta das receitas de 12% no ano passado — enquanto o PIB americano cresceu apenas 1,7% e a economia mundial avançou 4,3%.


Dos 21 setores analisados por Melhores e Maiores, 14 cresceram acima da taxa do PIB no ano passado. O grande destaque foi o setor de mineração, com crescimento de quase 17% nas vendas. Impulsionada pela forte demanda internacional, especialmente a da China, a produção brasileira de minério de ferro subiu 25%.


Os preços também ajudaram, permanecendo elevados durante o ano. Resultado: 1 de cada 5 dólares exportados pelo Brasil no ano passado veio da mineração. Ao todo, o setor proporcionou 44 bilhões de dólares em divisas — e garantiu que a balança comercial fechasse no azul mais uma vez.


A maior parte desse bolo ficou com a Vale, que fechou o ano com um lucro recorde de 15,3 bilhões de dólares — o maior ganho de uma empresa no país. Até quando isso pode perdurar? Por ora, a redução do ritmo da economia chinesa não assusta as mineradoras.


A Samarco, braço da Vale que exporta quase 100% da produção, mantém um plano de ampliar a capacidade em 37% até 2014, com investimento de 5,4 bilhões de reais.


“Acreditamos que o crescimento da China continuará forte o suficiente para sustentar a demanda por um bom tempo”, diz Eduardo Bahia, diretor financeiro da Samarco. Empresas de outros setores pegaram carona no aumento da produção de minérios. É o caso da MRS Logística, concessionária que opera na Região Sudeste uma malha ferroviária de 1.600 quilômetros.


A empresa transportou em 2011 um volume de cargas 5,4% maior do que no ano anterior. Do total movimentado, 75% eram minério de ferro, carvão e coque. “Nossa maior dificuldade foi lidar com uma demanda mais aquecida do que esperávamos”, afirma Eduardo Parente, presidente da MRS.


Se a crise internacional não chegou a afetar os negócios das mineradoras, o mesmo não ocorreu com as fabricantes de papel e celulose. Com a queda dos preços de seus produtos, o setor fechou o ano com retração de 2% nas vendas. O ano foi ruim também para a indústria digital — cresceu apenas 1%.


Fabricantes de produtos de informática, como a Positivo, sofreram com a “importação da crise” dos países ricos. “Com a demanda no exterior em queda, alguns produtores internacionais desovaram estoques no Brasil, elevando a oferta e derrubando os preços”, diz o analista Alex Pardellas, do banco Banif. No cenário mundial complicado, as empresas continuarão a ser desafiadas a provar sua capacidade.

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.
Fonte: Portal Exame

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*