Hyundai poderá disputar leilão do TAV

O governo federal decidiu reduzir de dez para cinco anos, desde que sem registro de acidentes nesse período, a exigência de tempo mínimo de experiência das empresas interessadas em disputar a construção e operação do trem de alta velocidade que ligará São Paulo ao Rio de Janeiro e a Campinas. A medida atendeu ao pedido do grupo liderado pela coreana Hyundai, que tem oito anos e meio de experiência no setor, e servirá para “ampliar o processo de competição”, disse ontem o presidente da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), Bernardo Figueiredo.


“Vamos flexibilizar porque temos que reconhecer que o grupo coreano desenvolveu uma tecnologia, opera e nunca teve acidente. Não tinha sentido excluir um operador importante”, disse Figueiredo, depois de fazer palestra em um encontro de empresas de construção pesada, em Porto Alegre. Segundo ele, o edital para o trem-bala será publicado até o fim de novembro, um mês depois do previsto, devido aos “aperfeiçoamentos” necessários após a audiência pública da Agência nacional de Transportes Terrestres (ANTT).


Até agora pelo menos cinco empresas manifestaram interesse em participar da primeira etapa do trem de alta velocidade. Além a Hyundai, a relação inclui a Alstom Brasil, subsidiária do grupo francês GEC Alstom, a alemã Siemens, a japonesa Mitsui e as espanholas CAF e Talgo. O projeto do trem-bala brasileiro, orçado em R$ 33,3 bilhões, prevê uma linha de 510 quilômetros entre o Rio e Campinas, passando por São Paulo.


Figueiredo também informou que o pacote de concessões e investimentos nos portos brasileiros deverá ser lançado na próxima semana. Ele não especificou o dia, mas admitiu que poderá ser na terça-feira. Sem antecipar detalhes do programa, disse que o governo está olhando “todo o litoral brasileiro” para definir novas concessões e confirmou que há “preocupação” em profissionalizar a gestão das companhias docas, que atuam como autoridade portuária.


Conforme o presidente da EPL, o pacote de modernização do setor portuário seguirá a mesma linha do programa de concessão de rodovias e ferrovias, anunciado em agosto. Ou seja, superar os “lapsos” na infraestrutura no país. Questionado sobre o montante de investimentos no programa, citou como referência o Plano Nacional de Logística Portuária (PNLP), que estima uma demanda de R$ 40 bilhões em aportes até 2030.


A necessidade de adaptações dos projetos a partir das audiências públicas realizadas pela ANTT também foi o motivo para o atraso em um mês do cronograma dos primeiros lotes do programa de concessão rodoviária, formados pela BR-116 em Minas Gerais e pela BR-040 de Brasília a Juiz de Fora (MG), disse Figueiredo. De acordo com ele, os editais deverão sair em dezembro, enquanto os leilões deverão ser realizados em janeiro de 2013. O pacote de concessão de estradas prevê investimentos de R$ 42,5 bilhões na duplicação de 5,7 mil quilômetros.


Segundo Figueiredo, a lógica dos programas do governo federal para expansão da malha rodoviária e ferroviária é ligar o país inteiro com estradas de ferro “abertas” e “eixos rodoviários estruturantes” concedidos.

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*