Tecnologia para novos tempos

Socadora de lastro B45UE, da Matisa, com sistema Comet, que transmite dados de uso e localização em tempo real
Socadora de lastro B45UE, da Matisa, com sistema Comet, que transmite dados de uso e localização em tempo real

IA e Big Data estão por trás das inovações no mercado de equipamentos de via

A tecnologia ganhou de vez o espaço na via, contribuindo para a segurança e o aumento da precisão na manutenção ferroviária. O que se vê nesse mercado altamente competitivo é a busca constante por inovações com base nos parâmetros da Indústria 4.0.

Especializada em robôs para inspeção e gestão de ativos ferroviários, a Rail-Pod tem como característica a customização de soluções para atender as necessidades das empresas. “Nosso objetivo é fornecer resultados mais precisos e confiáveis sobre a via, através da combinação de robótica, Big Data e inteligência artificial”, afirma o diretor da companhia, Emiliano de Matos.

Ele conta que a empresa consegue desenvolver uma unidade autônoma para monitoramento em quatro meses, seguindo as especificações do cliente. Recentemente, o equipamento passou a fazer registros fotográficos. Outro lançamento é a ferramenta de data analytics, que fornece análises preditivas da via.

“O equipamento é compacto, leve, ágil e com sistemas de última geração embarcados, como o 5G. Coleta mais dados, com mais precisão, confiabilidade e exatidão. Todos os parâmetros de inspeção, como geometria da via, perfil do trilho, mapeamento e cadastro de ativos, levantamento de gabarito ferroviário, faixa de domínio, registro de imagens, são obtidos em processo único e digitalizado”, acrescenta Matos.

A Matisa, especializada em máquinas de grande porte omo socadoras, reguladoras e desguarnecedoras, já percebe o aumento de demanda por esses equipamentos no país. Diretor da filial da Matisa no Brasil, Bruno Bonella conta que tem mantido conversas com operadoras de carga e de passageiros. A guinada ferroviária que vem acontecendo no Brasil, com a inauguração da Ferrovia Norte- -Sul pela Rumo, a concessão da Fiol e das linhas 8 e 9 da CPTM, além dos novos projetos como Fico e Ferrogrão, vão aquecer ainda mais essa indústria. “Sabemos que as oportunidades são reais”, diz Bonella.

Para acompanhar o crescimento do mercado, a Matisa aprimorou o Sistema Comet, instalado diretamente nas máquinas e que transmite dados de status, funcionamento e localização do maquinário, em tempo real para o cliente. A tecnologia permite gerenciar, acompanhar e controlar o conjunto de máquinas, melhorando a gestão dos equipamentos e aumentando a previsibilidade de manutenção. O sistema também permite fazer backup dos dados de trabalho, de manutenção, análise de informações e gestão da frota, construindo um histórico de intervenções.

A empresa também implantou o serviço de assistência técnica remoto VOA (Video Online Assistance), que ajuda a orientar e solucionar falhas através de videoconferência entre o técnico/engenheiro da própria Matisa e o cliente. Bonella conta que as máquinas mais recentes entregues no Brasil já chegaram com os novos sistemas embarcados.

Você precisa ser assinante da Revista Ferroviária para ler este conteúdo. Por favor, faça o seu . Não é assinante? Assine aqui

1 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*