Impressão 3D na ferrovia

As principais peças fornecidas pela Voith podem ser reparadas pelo método 3D
As principais peças fornecidas pela Voith podem ser reparadas pelo método 3D - Foto: Divulgação/Voith

Voith passa a oferecer a tecnologia no Brasil para a reparação de peças

A Voith Turbo adicionou um novo serviço ao seu portfólio de soluções para o setor ferroviário. É a impressão 3D, também chamada de manufatura aditiva, para a reparação de peças de sistemas de engates, transmissões e redutores produzidos pela empresa. A companhia aposta nesse tipo de tecnologia para baratear os serviços de manutenção sob demanda de fabricantes e operadoras ferroviárias, diante da dificuldade de reposição de peças sobressalentes no mercado. Um recurso que é amplamente utilizado em outros setores da indústria, a manufatura aditiva já era oferecida pela empresa na Europa e, agora, está disponível no Brasil.

O vice-presidente de Vendas da Divisão de Mobilidade da Voith América do Sul, Adelson Martins, explica que, por meio da tecnologia de impressão 3D, é possível reproduzir rapidamente e com precisão peças físicas obsoletas ou danificadas, reduzindo os custos de manutenção dos clientes ferroviários. Segundo ele, com o serviço, é possível diminuir em até 75% o tempo de manutenção de um equipamento, uma vez que o processo dispensa a fundição das peças danificadas. Martins afirma ainda que a empresa é uma das primeiras do setor a oferecer este tipo de solução. “Embora seja bastante discutida em outros mercados que fazem uso de tecnologias 4.0, a impressão 3D ainda é pouco utilizada pela indústria ferroviária”, diz.

Você precisa ser assinante da Revista Ferroviária para ler este conteúdo. Por favor, faça o seu . Não é assinante? Assine aqui

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*