Por dentro das oficinas do Metrô SP

Fotos: Márcia Alves
Vista aérea do pátio Jabaquara, que recebe trens das linhas 1-Azul e 2-Verde - Fotos: Márcia Alves

Pátio Jabaquara, em funcionamento desde 1971, surpreende pelo gigantismo

Com os atuais 71,5 km de extensão e 63 estações em quatro linhas (1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 15-Prata), o Metrô de São Paulo tem 169 composições que percorrem diariamente, de 4h à 00h, nada menos do que o equivalente a 50 mil quilômetros de trilhos, uma distância maior que a circunferência do planeta Terra. Com números superlativos, é uma tarefa hercúlea garantir que o sistema funcione de forma eficaz. Uma fração considerável deste trabalho está voltada à manutenção dos trens.

Para entender a dimensão e a complexidade de todo esse trabalho de manutenção dos trens, a Revista Ferroviária acompanhou a rotina de trabalho no Pátio Jabaquara, que abriga o estacionamento e também as oficinas que recebem os trens das linhas 1 e 2.

Chegamos ao local pela manhã, no último dia 15 de junho. Às 10 horas, fomos recebidos por Genílson Oliveira de Araújo Jr., supervisor de Manutenção há 11 anos, sendo 25 anos de atuação no Metrô de São Paulo. Já trabalhou na oficina de usinagem, no setor de Aprovisionamento de Materiais e também foi técnico de Manutenção Preventiva dos trens. Conhece como poucos as instalações da companhia.

Você precisa ser assinante da Revista Ferroviária para ler este conteúdo. Por favor, faça o seu . Não é assinante? Assine aqui

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*