Reforço à infra-estrutura ferroviária

Decorridos pouco mais de dez anos desde que foram feitas concessões à iniciativa privada, as ferrovias brasileiras registram um aumento sensível no volume de carga transportado. Segundo os últimos dados divulgados, o transporte ferroviário de carga aumentou de 304,15 milhões de toneladas entre 2000 e 2006, o que representa um crescimento de 41,71%. Apesar desse avanço, a participação das ferrovias no transporte ferroviário de carga ainda é baixa, sendo calculada em torno de 24%, fatia muito aquém da que se verifica em países mais desenvolvidos e mesmo emergentes.


 


A privatização às vezes é criticada pelo fato de ramais antieconômicos terem sido desativados e de as concessionárias, com algumas exceções, terem dado muito mais ênfase ao transporte de carga do que de passageiros. Mas essa opção pelas “ferrovias de carga” é justificada pelo estado de descalabro em que as estradas de ferro ficaram durante décadas no Brasil, obrigando as concessionárias a se concentrar nas operações capazes de oferecer um melhor retorno.


 


Na realidade, a recuperação só se tornou possível graças a dispêndios na melhoria da linha, sinalização e obras diversas de manutenção, além da aquisição de vagões, locomotivas e equipamentos para expandir a capacidade de carga.


 


Essa fase de transição, porém, já foi vencida. Agora, chegou a hora de investimentos de maior vulto na extensão das linhas ferroviárias no Brasil. Nesta semana, tivemos dois anúncios de investimentos no setor ferroviário que refletem essa nova etapa, condizente com a expansão que a economia brasileira vem registrando. A MRS Logística decidiu investir US$ 1 bilhão em 2008, soma que será gasta, na maior parte, na compra de 70 locomotivas novas, 40 usadas e 750 vagões para transportar 150 milhões de toneladas, 20% a mais que o movimento previsto para este ano.


 


Essa iniciativa, como informou a empresa, está diretamente ligada à expansão da siderurgia no Brasil. Além de novos projetos em execução e programados, praticamente todas as siderúrgicas instaladas no País estão em processo de ampliação de sua capacidade produtiva. A expectativa é que a capacidade de produção de aço bruto do Brasil se eleve para cerca de 60 milhões de toneladas por volta de 2012.


 


Isso só é economicamente viável com investimentos em ferrovias para transportar o minério de ferro aos locais de produção e aos portos de embarque. A concessionária, por sinal, deve implantar em breve o projeto de uma correia transportadora de minério, que irá de Santo André ao terminal da Cia. Siderúrgica Paulista (Cosipa) em Cubatão (SP). Com esse sistema, a MRS aliviará o tráfego nesse trecho, liberando os trilhos para transporte de outros tipos de carga.


 


Nesta mesma semana, a Cia. Vale do Rio Doce (CVRD) anunciou que vai destinar US$ 334 milhões de seus investimentos em logística em 2008 (US$ 1,8 bilhão) para dar início à duplicação da Estrada de Ferro Carajás, numa extensão de 546 quilômetros, e ampliação do porto de Ponta da Madeira (MA). Com do

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.
Fonte: Gazeta Mercantil

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*