Setor luta para reduzir impostos em logística

A carga tributária encarece em até 50% o custo do investimento em modernização e ampliação dos serviços de logística no País. Vencida a inflação, hoje a infra-estrutura é o principal obstáculo para que a atividade econômica deslanche. Para ajudar a remover os gargalos que impedem o Brasil de crescer mais rapidamente, empresários do setor pressionam o governo para obter isenção de impostos nos investimentos em bens de capital nos terminais portuários, ferroviários e dutoviários, numa primeira etapa.


“O país que tributa a logística dá um tiro no pé”, diz Roberto Giannetti da Fonseca, presidente da Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex). Segundo ele, o Brasil é um dos poucos que ainda tributam o investimento.


A situação fica pior na logística, que tem efeito multiplicador sobre toda a economia. A carga dos impostos e contribuições sobre esses investimentos pode representar de 40% a 50% do custo das máquinas e equipamentos, afirma Giannetti da Fonseca. Ela é formada pelo Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), PIS/Cofins e Imposto sobre Importação, além do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), este de competência estadual.


Chamada Regime Especial Tributário de Logística (Relog), a proposta foi apresentada formalmente ao governo em agosto. Elaborado por 15 entidades representativas de empresas do setor exportador, concessionárias de terminais de transporte e de logística, o documento ainda está em estudo no governo. Já circulou pelas mãos dos ministros Guido Mantega (Fazenda), Miguel Jorge (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) e de técnicos da Receita, entre outros. “Existe boa vontade, está todo mundo de acordo, mas até agora ninguém fez nada”, queixa-se Giannetti da Fonseca.


Os empresários têm pressa e sugerem uma medida provisória. A idéia, segundo eles, é desvincular a desoneração tributária dos investimentos em logística de qualquer conjunto de medidas que ainda não se sabe quando será adotado, como a reforma tributária ou mesmo a política industrial.


“Estamos chegando no apagão logístico porque os investimentos estão baixos”, diz o presidente da Funcex.Para ele, o governo não pode sequer alegar impossibilidade de fazer renúncia fiscal. “Se não houver desoneração, é provável que muitos investimentos não saiam do papel”, argumenta.


Na prática, o Relog amplia os benefícios e o alcance do Regime Tributário para Incentivo à Modernização e Ampliação da Estrutura Portuária (Reporto), uma das medidas de política industrial do primeiro mandato de Lula. Com término previsto para este mês, o Reporto recebeu sinal verde de que será renovado pelo governo.


 



 

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.
Fonte: Estado de S. Paulo

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*