Vale sofre nova derrota contra Cade

A 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) negou, ontem, por três votos a dois, o recurso da Companhia Vale do Rio Doce contra a decisão do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) que lhe impôs restrições no mercado de minério de ferro. 


A decisão é uma derrota para a Vale porque deixa a companhia mais próxima de ser obrigada a cumprir a determinação do Cade e ficar sem o direito de preferência na compra do excedente de minério de ferro produzido em Casa de Pedra, mina de propriedade da CSN. 


Hoje, a Vale possui apenas um seguro contra essa determinação: a liminar dada pelo desembargador Antonio de Souza Prudente, do Tribunal Regional Federal (TRF) de Brasília. Mas, essa liminar foi tomada em outro processo, no qual a companhia pede ao Judiciário que reconheça o suposto direito de ser indenizada pela CSN pelo fim de sua preferência. O Cade já pediu a suspensão desta liminar ao presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Raphael de Barros Monteiro. Ele respondeu que aguardava apenas a decisão do STF sobre o assunto. Como o STF já decidiu, espera-se que Barros Monteiro defina a questão nos próximos dias. 


A decisão do STF encerrou um processo de dois anos no qual a Vale contestou a forma pela qual o Cade votou pelas restrições. Em agosto de 2005, ao julgar a aquisição de oito mineradoras pela Vale, o órgão antitruste concluiu que a empresa adquiriu uma posição de monopólio no setor e determinou que ela cumprisse uma entre as duas condições impostas pelo órgão antitruste: a venda da mineradora Ferteco, ou a perda do direito de preferência da mina da CSN. Essa decisão foi tomada após um empate de três votos a três entre os conselheiros do Cade. A Vale contestou o fato de o voto da presidente do Cade, Elizabeth Farina, ter sido utilizado para o desempate. Com base nessa alegação, a companhia obteve liminares em todas as instâncias da Justiça, mas perdeu em todos os julgamentos de mérito. Após perder no STJ, em agosto passado, a companhia informou ao Cade que se for derrotada, em definitivo, na Justiça, irá optar pelo fim do direito de preferência. Ontem, a empresa foi derrotada no STF no processo em que contesta o sistema de votação, mas falta ainda a definição no processo em que ela pede para ser indenizada pela CSN. 


Na decisão de ontem, a ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha concluiu que a alegação da Vale não envolvia assunto constitucional e, por isto, não deveria ser julgada pelo STF. Antes de Cármen votar, os ministros Carlos Ayres Britto e Marco Aurélio Mello argumentaram que o sistema de votação do Cade fere o princípio de “um homem, um voto”, previsto da Constituição. Mas, a ministra ressaltou que, neste processo, a Vale sempre enfatizou que o sistema de votação não era compatível com a Lei que rege a atuação do Cade (Lei nº 8.884) e com o regimento interno do conselho. “Não houve o pré-questionamento de assunto constitucional”, disse Cármen Lúcia. Por este motivo, a ministra entendeu que deveria prevalecer a decisão de mérito do STJ e este tribunal concluiu que o Cade aplicou corretamente a Lei nº 8.884 ao impor restrições. 


Cármen Lúcia acompanhou os votos dos ministros Carlos Alberto Direito e Ricardo Lewandowski. Eles concluíram que não cabia ao STF analisar o recurso pelo fato de não ter sido levantada a hipótese de o Cade ter descumprido a Constituição. Com isso, a maioria dos ministros decidiu não analisar a constitucionalidade do voto de desempate, utilizado não só pelo Cade, mas por várias agências e órgãos do governo. 


O advogado Luiz Antonio Bettiol, que atua para a Vale, irá estudar a possibilidade de ingressar com novo recurso. Consultada, a empresa respondeu no mesmo tom. “Vamos analisar a decisão para estudar as medidas a serem adotadas”, disse Fernando Thompson, gerente-geral de relacionamento com a imprensa. 


Já o Cade comemorou a decisão. “O Supremo confirmou aquilo que já temos

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.
Fonte: Valor Econômico

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*