Vale estuda fazer sua maior aquisição

A Vale está se preparando para tentar a fazer a maior aquisição de sua história. A mineradora estuda apresentar uma proposta pela anglo-suíça Xstrata, sexta maior mineradora do mundo. A proposta seria de cerca de US$ 90 bilhões, mas ainda está cercada de dúvidas.


Segundo fontes próximas à Vale, a empresa estaria terminando de formar um consórcio de bancos para financiar a compra – estariam envolvidos Merrill Lynch, Lehman Brothers, HSBC, Credit Suisse, Citigroup e Santander, entre outros. Na sexta-feira, as ações da Xstrata tiveram alta de 8,58% por causa de especulações sobre propostas de compra.


Ontem, dois jornais britânicos noticiaram que a Vale está prestes a fazer uma oferta pela mineradora. Segundo o Sunday Times, a Vale está fazendo uma auditoria nas contas da Xstrata para fazer sua proposta.


Já o The Observer diz que a Xstrata desperta o interesse não só da Vale, como também da britânica Anglo American – que acaba de comprar parte da mineradora brasileira MMX por US$ 5,5 bilhões. As ofertas pela Xstrata, diz o jornal, só sairão se o preço das ações das mineradoras se estabilizarem nos próximos dias no mercado internacional.


Mas, mesmo em meio ao nervosismo de mercado, os investidores têm apostado na realização oferta. A alta das ações de 8,58% da Xstrata ocorreu em uma semana em que ações de diversas outras mineradoras apresentaram queda, já que os investidores estavam preocupados com a perspectiva de uma freada econômica nos EUA que poderia inibir a demanda por minerais.


A Xstrata admitiu estar conversando com mineradoras, mas disse que não recebeu nenhuma proposta oficial. Caso isso tivesse ocorrido, o presidente da empresa, Mike Davies, teria de fazer um anúncio para o mercado.


O Observer afirmou que Davies está considerando que esse é um bom momento para vender a Xstrata por acreditar que os preços dos metais – que caíram recentemente – não devem recuperar os valores de 2007 por, pelo menos, um ano caso os EUA entrem em recessão. Isso mesmo após a seqüência recente de aquisições da Xstrata, incluindo a Cerrejon Coal, a Tintaya Copper e a Falconbridge.


Fontes ligadas ao negócio disseram ao Estado que a Vale está negociando com a Glencore (maior acionista da Xstrata) a aceitar um pacote de ações preferenciais como pagamento. A Vale quer oferecer o máximo possível em ações e o mínimo em dinheiro para não perder a nota de grau de investimento dada pelas agências de classificação de risco.


Se a dívida em dinheiro fosse muito grande, o mercado poderia avaliar que as finanças da empresa não estariam tão sólidas e ela poderia perder o grau de investimento. Sem ele, seria impossível levantar o valor necessário para fazer a oferta.


Expansão – Se for confirmada a aquisição, a Vale pode expandir sua atuação para outros minérios,nos quais a Xstrata tem grande participação: cobre, carvão, ferro-cromo, vanádio e zinco. O valor de mercado da Vale – que hoje é de US$ 160 bilhões – superaria US$ 220 bilhões.


Para isso, no entanto, a Vale teria de concordar com os riscos da operação, que envolveria cinco vezes o valor de sua maior aquisição: a canadense Inco, comprada em 2006 por US$ 17 bilhões. Hoje, a Vale é a segunda maior mineradora do mundo, atrás da anglo-australiana BHP Billiton, avaliada em mais de US$ 200 bilhões.

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.
Fonte: O Estado de S. Paulo

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*