Clima de insegurança aumenta na EF Carajás

Mais de 2 mil integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e da Via Campesina, que se concentram às margens da estrada de ferro Carajás, em Parauapebas, no sudeste do Pará, mudaram de estratégia e agora estão usando camisetas amarelas do Movimento dos Trabalhadores em Mineração (MTM). A idéia é fugir das restrições impostas pela Justiça, que proíbe qualquer paralisação da ferrovia ou ataque ao patrimônio da mineradora Vale.


A empresa, no entanto, informou nesta segunda-feira, que a liminar da Justiça contempla qualquer manifestação que paralise a ferrovia ou atinja outro patrimônio da Vale. Policiais federais e das forças de choque da Polícia Militar do Pará vêm realizando vistorias nos acampamentos do MST à procura de armas ou qualquer tipo de ferramenta que venha a ser usada como armamento pelos manifestantes dessas organizações.


A polícia também alertou aos líderes do movimento sobre a ação contundente que fará caso a manifestação interrompa a ferrovia. O movimento, chamado de Jornada Nacional de Lutas pela Reforma Agrária, conhecido como Abril Vermelho, provocou a mobilização de entidades empresariais do Pará, que nesta segunda-feira promovem o ato de desagravo à Vale em apoio ao crescimento da economia do estado. Há informações de que o ataque à Estrada de Ferro Carajás está prevista para esta quinta-feira. O MST garante que o protesto pela reforma agrária atinge 14 estados.


A Vale está protegida por duas liminares que impedem qualquer ação do MST ou movimentos afins contra o patrimônio da empresa. Qualquer descumprimento das decisões judiciais poderá levar à prisão os coordenadores nacionais e regionais destas organizações. 
Nesta terça-feira, ocorre a passagem do 12º ano do massacre de Eldorado dos Carajás, onde 19 sem-terra foram mortos em confronto com a PM do Pará. A direção do MST avalia que novas áreas serão ocupadas como protesto à morosidade da política de reforma agrária do governo.


MST diz que não realizou protesto contra a Vale


Em nota oficial, o MST esclarece que não realizou protesto contra a Vale na quarta-feira passada, como divulgou a mineradora, nem participou da organização do acampamento montado às margens da Estrada de Ferro Carajás (EFC).
– O acampamento montado às margens da Estrada de Ferro Carajás é do Movimento dos Trabalhadores e Garimpeiros na Mineração, que fazem uma jornada de lutas em defesa dos direitos dos garimpeiros e contra a exploração imposta pela Vale.
Para o MST, a Vale atribuiu ao movimento os atos de protestos para esconder da sociedade que diversos setores populares fazem manifestações contra a diretoria da mineradora e pela reestatização da empresa.


Os advogados de Stédile entraram na quinta-feira da semana passada com recurso contra a liminar obtida pela Vale, contestando a competência da 41 ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Rio para julgar a ação, já que Stédile tem endereço fixo em São Paulo, onde alegam que a ação deveria ter sido proposta. O recurso ainda não foi julgado. A multa definida pelo TJ do Rio para o MST é de R$ 5 mil por ato violento ou interrupção.


Empresas de segurança que prestam serviços à Vale flagraram, nesta segunda-feira, militantes do MST e do MTM vistoriando os trilhos da ferrovia, mas as lideranças do MST negam qualquer ação no sentido de bloquear a estrada de ferro, a exemplo do que ocorreu em outubro do ano passado. Cerca de 600 homens das polícias civil e militar do Pará foram deslocados para o sudeste do Pará, onde montaram barreiras nas rodovias PA-150 e PA-275, revistando todos os veículos que por lá trafegam em busca de armas e drogas.
Governo do Pará anuncia parceria com prefeitura de Parauapebas


Os órgãos de segurança do estado mantém diálogo com as lideranças do MST tentando evitar o bloqueio da ferrovia de Carajás e das rodovias estaduais, principalmente depois que a governadora do Pará, Ana Júlia Carepa (PT), recebeu apelos d

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.
Fonte: O Globo

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*