Artigo: Ferrovias, as veias abertas do Brasil

*Por Lúcia Vânia


Na década de 70 um livro se destacou entre os jovens da América Latina: As Veias Abertas da América Latina, do jornalista e escritor uruguaio Eduardo Galeano.


O título que uso neste artigo não tem nada a ver com o conteúdo do livro do Galeano, mas me permito usar apenas o jogo de palavras.


Na verdade estou visualizando a extensão do mapa do Brasil, nos seus 8 milhões e 544 mil quilômetros quadrados, entrecortado pelos chamados modais de transporte, rodovias, ferrovias, hidrovias e, porque não, rotas aéreas.


Esses modais são fundamentais quando pensamos o nosso país emergindo como candidato a grande potência mundial dentro de poucos anos. São as veias abertas para o transporte de mercadorias, sejam industrializadas ou matérias primas, de pessoas, de idéias e de riquezas infindas. De fato são veias que fazem pulsar este gigantesco território, de extensão continental.


O debate sobre investimentos em Transportes faz-se presente em todas as discussões que abordam o planejamento governamental de infraestruturas.


A escolha dos modais gera uma falsa discussão: alguns afirmam que o Brasil errou ao privilegiar o modal rodoviário; outros garantem que foi esse modal que alavancou o desenvolvimento do país.


Chamo de falsa discussão porque a sobrevivência social, econômica, cultural e política de nosso país depende, isto sim, de uma inteligente interligação entre os diferentes modais, de modo que se complementem, de forma equilibrada, no atendimento das necessidades viárias do país. É inadiável a emergência de um planejamento integrado.


Dentre os modais terrestres o transporte ferroviário, indubitavelmente, é o que tem recebido menos atenção do poder público.


Dentre as idas e vindas, com mais retrações do que expansões, o último grande impulso ocorreu no Governo FHC, que concedeu a malha da Rede Ferroviária Federal à iniciativa privada, livrando-a de um sucateamento. Com o aumento da tonelagem transportada e a diminuição do número de acidentes, o sistema, que era deficitário em R$ 350 milhões/ano com a manutenção, passou a ser superavitário em R$ 450 milhões.


A conhecida Ferrovia Norte-Sul, em obras há 20 anos, é um verdadeiro eixo estruturante, que ligará Belém/PA ao extremo sul do país, fazendo conexões com modais hidroviário e rodoviário, além de entroncamentos com outros trechos ferroviários transversais. Ela será uma espinha dorsal que dará suporte ao escoamento e ao desenvolvimento do interior do Brasil.


A Ferrovia Norte-Sul nos remete à saga de Rondon, no desbravamento do interior do Brasil, assim como nos remete ao papel da ferrovia no desbravamento do oeste americano e do rio Amazonas, que permitiu aos portugueses transpor os limites do Tratado de Tordesilhas, assegurando-nos a posse dessa região que faz a grandeza do Brasil.


O detalhamento mostra que a Norte-Sul interligará regiões produtoras de grãos e minérios, além de açúcar e etanol, e os portos marítimos de Vila do Conde, no Pará, e Rio Grande, no Rio Grande do Sul. Em direção ao sul a ferrovia passa, ainda, pelos terminais de Panorama/SP e Porto Murtinho/MS.


O trecho já em operação, entre Açailândia/MA e Porto Nacional/TO tem 720 km e transportou 1,3 milhões de toneladas. A extensão entre Porto Nacional e Anápolis está em fase final, gerando 5 mil e 700 empregos diretos.


Por fim, considere-se que, a par das obras físicas, o sistema ferroviário brasileiro carece de um marco legal que o dotará de características operacionais à altura do desenvolvimento do Brasil.


*Lúcia Vânia é senadora de Goiás pelo PSDB.

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.
Fonte: Jornal da Manhã

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*