Projeto para desviar linha de trem é paralisado

O sonho da Prefeitura de Rio Preto de desviar os trilhos da região central ficou mais distante. O governo federal paralisou o projeto que seria usado para abrir licitação da obra, que tem custo mínimo estimado em cerca de R$ 200 milhões.


O contorno ferroviário foi anunciado pelo prefeito Valdomiro Lopes (PSB) logo no segundo mês de seu mandato, em fevereiro de 2009. Quase três anos depois, o  estudo acabou sendo suspenso pelo Dnit (Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes). O governo federal disparou licitação para o projeto executivo da obra no final de 2009.


De acordo com dados do departamento, o consórcio Astec/Urbaniza/Setepla ganhou a licitação em junho de 2010. No entanto, o contrato de R$ 1.898.799,67  foi assinado apenas em fevereiro deste  ano.


O estudo teria de ficar pronto em fevereiro de 2012. No entanto, segundo a assessoria de imprensa do Dnit, “por falta de empenho financeiro  foi necessário paralisar o contrato”. O órgão solicitou a liberação de R$ 500 mil ainda neste ano para prosseguir com o projeto. Ainda há tentativa de incluir recurso no Orçamento do ano que vem do governo federal para que o estudo seja finalizado em 2012.


A proposta da prefeitura para desviar os trilhos foi motivada com frequentes acidentes com trens da ALL, concessionária que explora a malha férrea que passa pelo perímetro urbano da cidade. Em março deste ano,  o professor Silvio Pereira morreu ao ser atingido por um trem no cruzamento da linha com a rua  Antônio Frederico Germano, no Jardim Soraya. No local não havia cancela.


“Além da segurança para evitar desastres,  a prefeitura, mostrou que existe risco na região da Represa, que tem áreas de mancais”, disse o secretário de Planejamento, Milton Assis, sobre o fato de o trilho passar próximo à Represa.


O secretário avalia que mesmo com atrasos, a obra deve sair. “Existe contrato do governo. Atrasos são normais.” Outro argumento do município foi  a previsão de aumento da quantidade de trens que vão passar em Rio Preto quando as obras da ferrovia Norte-Sul estiverem prontas. A previsão é que o trecho regional da  ferrovia Norte-Sul seja concluído no final de 2012. A linha vai passar por nove cidades da região (Dolcinópolis, Estrela d’Oeste, Fernandópolis, Guarani d’Oeste, Jales, Ouroeste, Populina, Turmalina e Vitória Brasil) e será interligada à malha da ALL, que passa por Rio Preto.


Na segunda-feira (14), 13 composições passaram pelo centro de Rio Preto. O transito tem de ficar parado por cerca de cinco minutos cada vez que o trem passa. A maioria transporte  é de soja e de combustível.


Desvio


O projeto do governo federal prevê que  a linha de trem seja desviada do perímetro urbano. Atualmente, o trem passa por bairros da região central, além da Boa Vista, Gonzaga de Campos, Soraya e Vila Toninho.


A proposta é que a linha seja desviada logo na divisa entre Rio Preto e Cedral. O novo traçado passaria ainda por Bady Bassit  e pela região onde funcionava o IPA (Instituto Penal Agrícola). No total, o desvio teria 23 quilômetros. A intenção da prefeitura é utilizar o trilho atual  como corredores de ônibus ou até como metrô de superfície, como afirmou Valdomiro em dezembro de 2009. O primeiro objetivo é evitar transporte de cargas por trem dentro da cidade.


Concessionária ALL defende contorno


A concessionária ALL defendeu a obra de contorno ferroviário. No entanto, afirmou, em nota enviada segunda ao BOM DIA, que o contorno depende do Dnit. A  ALL considera o contorno de grande benefício, tanto para a população, quanto para a logística ferroviária de cargas na região, pois ele trará a diminuição do número de interferências (cruzamentos),  minimizando os riscos de acidentes”, informou. Ainda segundo a concessionária, a obra ainda poderá aumentar a quantidade de carga que é transportada diariamente pela ferrovia.


MP cobra multa de R$ 615 mil por falta de segurança


A falta de um plano de gerenciametno de riscos e combate a acidentes  em Rio Preto levou o Ministério Público a cobrar multa de R$ 615 mil na Justiça. A ação foi proposta em julho de 2009 pelo promotor Sérgio Clementino.  Segundo ele, a concessionária não cumpriu o que estava previso em termo de ajuste de cunduta firmado com o MP em 2002.  “O termo de conduta não foi cumprido”, afirmou Clementino segunda. A ALL recorreu contra a ação no Tribunal de Justiça, em São Paulo.


O Ministério Público também cobrou  da concessionária e da prefeitura a  instalação de cancelas. A assessoria da concessionária afirmou que em junho deste ano instalou sinalização com luzes e campainhas nas passagens de nível das ruas Clodulpho Benavides e Osvaldo  Aranha, e no bairro Gonzaga, com investimento de R$ 500 mil. A ALL ainda informou que os trens têm preferência nos cruzamentos e quem descumpre pode ser multado em R$ 186,39. “Ao contrário dos demais veículos, o trem precisa de mais de 500 metros para parar totalmente, mesmo após o maquinista acionar os freios.”

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.
Fonte: Rede Bom Dia

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*