Prefeitura questiona projeto de metrô em Salvador

A Prefeitura de Salvador (BA) contesta dados que balizam a concorrência para a construção do novo metrô de Salvador, obra anunciada pela presidente Dilma Rousseff e que estava prevista para ficar pronta a tempo da Copa de 2014.


O questionamento tende a atrasar o projeto e reduz a praticamente zero a chance de algum trecho do metrô ficar pronto para a Copa. O Comitê Organizador da Copa mandou carta ao governo estadual no mês passado manifestando preocupação com o risco de não haver sistema de transporte para o evento.


Em 14 de agosto, o secretário municipal de Transportes de Salvador, José Luiz Costa, encaminhou carta à Secretaria de Desenvolvimento Urbano da Bahia, responsável pela concessão do metrô, dizendo que o edital da licitação atribuía erroneamente ao município a informação de que a demanda de passageiros no horário de pico do metrô seria de 51 mil pessoas por hora.


Costa diz que esse número não é da secretaria e não se responsabiliza pelo dado. Ele pede a imediata correção.


O governo do Estado informou que os números da demanda foram retirados de uma consulta pública que escolheu o modelo de metrô. Dos oito concorrentes que participaram da consulta, somente um apresentou expectativa de passageiros tão elevada.


A obra do metrô está orçada em R$ 3,5 bilhões. O projeto prevê que a concessão seja feita sob a forma de Parceria Público Privada, no qual o governo federal financia até R$ 1,9 bilhão e o governo da Bahia e o vencedor da concorrência entram com o restante dos recursos.


A participação da prefeitura é institucional. Ela não entra com recursos, mas tem que autorizar formalmente o projeto. Sem a anuência da prefeitura, o Ministério das Cidades não pode repassar recursos.


Por enquanto, a prefeitura mantém a parceria com o governo estadual na obra, mas a Folha apurou que já há a decisão de desistir do projeto se ele não for alterado.
O trecho tem, de acordo com o projeto, 36 km, incluindo 6 km que já estão em obras desde 2000.


Equilíbrio


Na carta, o secretário argumentou que o número superestimado de passageiros pode comprometer o equilíbrio econômico do contrato “expondo o governo do Estado aos riscos de ter que realinhar o valor do subsídio a ser repassado à contratada”.


Traduzindo: o governo pode ter que entrar com mais recursos públicos do que pretendia se a demanda não for a informada nos estudos.


O novo metrô de Salvador substituiu um projeto de BRT (ônibus em corredor), previsto como sistema de transporte para a Copa de 2014.


No mês passado, a Justiça suspendeu liminarmente o contrato de construção do VLT de Cuiabá alegando, entre outros problemas, a falta de demanda.


A Justiça chegou a afastar duas servidoras do Ministério das Cidades por suspeitas de que elas alteraram documentos para aprovar o projeto de Cuiabá, mas a liminar foi suspensa e as servidoras foram reintegradas, segundo o ministério.


No caso de Salvador, a Folha revelou que a presidente Dilma Rousseff chegou a anunciar a obra sem que houvesse ao menos um documento sobre o projeto no ministério. O processo que tramitava então era de um BRT.

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*