TAV já movimenta 19 grupos

Após três licitações fracassadas, a completa reformulação das regras para o trem de alta velocidade (TAV) está conseguindo atrair o interesse da iniciativa privada pelo projeto. Pelo menos 19 empresas (entre grupos de construção, operadores ferroviários e fabricantes de máquinas e equipamentos) já se movimentam para a disputa. O edital definitivo deve ser publicado no mês que vem.


O que mais tornou o projeto atrativo para as empresas foi o fato de o governo, agora, pagar completamente o custo das obras civis do empreendimento – previstos, nos estudos originais, em R$ 27 bilhões. Essas obras incluem terraplenagem, além de construções de pontes, viadutos e túneis, por exemplo. Além disso, a concessionária também ficará livre da dor de cabeça das desapropriações – e do custo decorrente delas.


“A modelagem ficou equilibrada e por isso sinto que as empresas estão mais animadas, com muito estrangeiro interessado”, diz a advogada Letícia Queiroz de Andrade, sócia do Siqueira Castro Advogados. O atual processo de licitação, em fase de audiências públicas, tem o objetivo de definir a concessionária de um dos mais ambiciosos projetos brasileiros de infraestrutura nos últimos anos, que terá direito a um contrato de 40 anos.


O presidente da Alstom no Brasil, Marcos Cardoso Costa, anunciou em entrevista recente ao Valor uma parceria com a estatal francesa de operação ferroviária Société Nationale des Chemins de fer Français (SNCF, que opera o TAV naquele país) para estudar e eventualmente disputar em conjunto o projeto brasileiro, mas que a Alstom não deve liderar dos investimentos. “Preferimos destinar nosso capital ao desenvolvimento de nossos produtos”, disse.


O caso da Alstom deve se repetir na maioria dos consórcios: os fabricantes de tecnologia não irão liderar os investimentos. A canadense Bombardier também tem interesse no projeto. “Acompanhamos de perto o projeto brasileiro há vários anos e somos naturais interessados. Estamos em conversas com diversas empresas, como operadores da Alemanha e da Itália, além de grupos brasileiros de concessão”, disse um executivo da Bombardier ao Valor.


A fabricante espanhola Construcciones y Auxiliar de Ferrocarriles (CAF) já informou que formará um consórcio, com a também espanhola Renfe, estatal operadora de trens. Os japoneses da Mitsui estão formando um consórcio em associação com outras grandes companhias daquele país, como Toshiba, Hitachi e Mitsubishi Heavy Industries.


Os sul-coreanos, liderados por Samsung, LG e Hyundai, estão em processo de definição de dois representantes locais e ainda pretendem firmar parceria com uma empresa especializada em concessão. O grupo já desembolsou em estudos do TAV brasileiro cerca de US$ 10 milhões desde 2006.


Além do fornecedor da tecnologia, todo consórcio deve ter – como sócio ou subcontratado – um operador especializado, experiência que só existe no exterior. A maioria das cerca de 50 companhias operadoras pelo mundo é estatal – um obstáculo a mais para o projeto brasileiro. “As estatais existem primeiramente para cumprir uma função social, não para dar lucro. Ficaria difícil explicar, para a população de determinado país, um investimento grande sendo feito fora de seu território”, resume Letícia, do Siqueira Castro.


Pelo montante a ser aplicado pela concessionária (cerca de R$ 9 bilhões), fontes da área jurídica dizem que os consórcios devem ser liderados por empresas com perfil investidor – como subsidiárias de grandes grupos originados da construção pesada, além de companhias especializadas em concessão de transportes e fundos de investimento.


Dentre as candidatas de concessão, Odebrecht Transport, CCR (de Andrade Gutierrez e Camargo Corrêa) e Invepar (de fundos de pensão e da OAS) estão interessadas. Já descartaram participação OHL Brasil, EcoRodovias e Triunfo Participações e Investimentos.


No ramo da construção, estão interessados Queiroz Galvão, CR Almeida e o grupo Galvão. “Somos interessados, inclusive na concessão. Cada vez mais queremos estar em projetos em que podemos prestar serviços [em vez de atuar apenas na construção]”, diz o presidente do grupo Galvão, Dario Galvão, que ainda espera as regras definitivas.


Pelo volume de investimentos, o número de concorrentes deve ser menor que o dos aeroportos – quando 28 empresas e fundos de investimento, em 11 consórcios, apresentaram propostas. Fonte que assessora uma empresa arrisca um número: quatro consórcios.


Para Luciano Amadio, presidente da Associação Paulista de Empresários de Obras Públicas (Apeop), o número de concorrentes pode aumentar. “Concessão hoje é muito disputada. Pequenas e médias se juntam e mesmo quem não atua em concessão hoje pode passar a atuar”, diz.


O governo também está exigindo a presença de um operador especializado – algo presente também no leilão dos aeroportos, em fevereiro. A diferença é que, agora, o Planalto está “filtrando” os operadores antes da disputa, exigindo pré-requisitos. Se no caso dos aeroportos o objetivo era dar celeridade ao processo, agora o governo busca o “estado da arte” da tecnologia.


A minuta do edital exige uma experiência de dez anos – o que elimina o operador da Coreia do Sul, o Korea Railroad Corporation, que está na atividade desde 2004. Fontes acreditam que o governo vai flexibilizar as regras, fazendo com que a condição de dez anos de experiência possa ser aceita até o início da operação – prevista para 2020. Segundo especialistas, a experiência coreana é importante por ser similar ao projeto brasileiro, com topografia desfavorável.


Os operadores japoneses se destacam, já que o país foi o pioneiro em trens de alta velocidade. O chamado Shinkansen, na rota entre Tóquio e Osaka, foi inaugurado em 1964, com velocidade máxima de 270 km/h.


O operador também não pode ter registrado acidentes fatais há uma década – o que elimina o chinês China Railways, que registrou um acidente em 2011 com 33 mortos. “O governo está colocando como elemento fundamental a segurança da operação”, diz Roberto Dias David, gerente executivo da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).


O governo também exige que o capital mínimo da sociedade deve ser de R$ 1,5 bilhão – o que deve barrar competidores de pequeno porte. “É um projeto para onde estão sendo destinados grandes aportes públicos, então é uma forma de conceder para quem tenha solidez”, diz a advogada Maria Virgínia Mesquita, do Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados. “[A regra] atende a própria lei de licitações, que demanda a melhor proposta”, completa a advogada Ana Carina de Souza.


Apesar dos pré-requisitos, o critério final para a escolha do consórcio será o preço. Uma fórmula classificará os candidatos com base em dois critérios principais: maior valor de outorga paga ao governo e, paralelamente, menor custo decorrente da tecnologia escolhida pelo consórcio – número que deve ser apresentado pelo proponente.


O vencedor arcará com a chamada “superestrutura”, o que inclui material rodante (trens), via permanente (trilhos e dormentes), proteção acústica da via e equipamentos de manutenção. O custo previsto é de R$ 8,75 bilhões, sendo 70% financiados pelo BNDES. A estatal Empresa de Planejamento e Logística (EPL) terá 10% da concessionária, conforme explica Fernando Marcondes, do L.O. Baptista SVMFA Advogados.

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*