Licitação para VLT de Goiânia sai em novembro

A implantação do veículo leve sobre trilhos (VLT) no Eixo Anhanguera, em Goiânia, tão comentada desde o início do projeto – no ano passado –, vai começar a partir de janeiro, de acordo com previsão da Secretaria de Estado de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Goiânia (SEDRMG). Uma licitação para escolher a empresa que vai operar os trens por um prazo de 35 anos deve ser aberta no próximo mês.


Segundo o secretário Metropolitano, Silvio Silva Sousa, a licitação será internacional. “Já estamos sendo procurados por empresas de várias partes do mundo”, comenta. Ontem, foi realizada uma audiência pública no Palácio Pedro Ludovico Teixeira para discutir sobre o VLT. Silvio Silva lembra que, se houver necessidade, alterações ainda podem ser feitas no projeto. Após o início das obras, o prazo de conclusão previsto é de dois anos.


Silvio Silva afirma que essa será a maior obra de transporte e qualificação de via da história de Goiânia. “Esse é um projeto que vai deixar Goiânia tranquila quando o assunto é transporte coletivo pelo menos pelos próximos 35 anos”, destaca. Para ele, quando o assunto é VLT, renovação e requalificação são palavras básicas. “Precisamos preparar o eixo para uma demanda que é crescente. O modelo hoje está saturado”, completa.


De acordo com o secretario, o Eixo Anhanguera opera hoje em sua capacidade limite e o cenário atual transforma os ônibus em grandes comboios sem velocidade ou pontualidade. Além disso, os veículos são muito poluentes. “Por isso precisamos do VLT, um veículo leve e moderno, que vai solucionar o problema sem agredir a cidade”. A demanda atual do Eixo Anhanguera nos dias úteis é de 230.770 passageiros. A expectativa, segundo estudo feito para o projeto, é que esse número aumente em pelo menos mais 100 mil até 2040.


O VLT terá 14 quilômetros de extensão, 12 estações, e vai substituir o atual corredor de ônibus do Eixo Anhanguera. Os mesmos cinco terminais de integração existentes serão mantidos, totalizando 17 pontos de paradas ao longo do Eixo Anhanguera. O destaque do projeto, segundo Silvio Silva, é que ele vai levar em conta calçadas, ciclovias, acessibilidade e demais equipamentos urbanos. Até os semáforos deverão ter um controle inteligente integrado. Esta estratégia, que integra transporte e urbanismo, prevê um novo padrão de compartilhamento dos espaços da cidade com o objetivo de priorizar e integrar transporte público, pedestres e ciclistas.


Projeto prevê frota com trinta trens


De acordo com o secretario Metropolitano, Silvio Silva Sousa, o modelo de transporte coletivo da região metropolitana, com tarifa única (R$2,70), é referência em todo o País. Por isso o VLT será integrado a esse modelo. “Todo o projeto foi concebido pensando nessa manutenção”, destaca. O VLT terá uma frota de 30 trens, com dois carros por trem, e a previsão é de que eles rodem a aproximadamente 23 quilômetros por hora.


O modelo a ser implantado em Goiânia já existe em várias cidades da Europa. “Esse é o sistema mais moderno de transporte coletivo em uso no mundo. Consegue o dobro da velocidade média de um ônibus. O VLT é um resgate dos antigos bondes, mas de forma mais confiável e de altíssima tecnologia”, explica Silvio Silva.


Segundo o projeto, a implantação de um tratamento urbanístico deve abranger toda a via, de fachada-a-fachada, renovando e qualificando os espaços públicos, com novo piso, mobiliário, iluminação, pavimento da via, sinalização de tráfego e paisagismo. O VLT também não polui, já que é elétrico. “Esse projeto vai colocar Goiânia entre as cidades mais modernas do mundo”, diz o secretário.


Execução por partes


A execução do projeto deve ser feita em parceria entre o governo federal, o governo do Estado, a prefeitura e a empresa vencedora do processo licitatório. A obra deve ser realizada por módulos, desviando o tráfego para ruas próximas. “Interdita uma parte, depois de pronta, libera e interdita outra. Mas ainda estamos estudando como isso vai ser feito exatamente. O ponto positivo é que essa é uma obra relativamente rápida”, detalha o secretário metropolitano. De acordo com o projeto, o acesso às plataformas continuará sendo por catracas com leitor de cartão/bilhete do SITPASS.

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.
Fonte: O Hoje

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*