Pacotes de investimentos geram R$ 20 bilhões ao Rio

O Rio é um dos estados mais beneficiados nos três pacotes de logística já lançados pelo governo federal neste ano, que tratam de rodovias, ferrovias e portos. Segundo estimativas da Federação das Indústrias do Estado do Rio (Firjan), foram anunciados novos investimentos que somam R$ 20 bilhões, o que pode dinamizar a atração de indústrias, sobretudo para o Norte Fluminense. Este valor, que equivale a 8,8% dos R$ 225 bilhões dos programas federais para os três modais, deve crescer com o lançamento do plano para os aeroportos, a ser divulgado antes do Natal, quando está previsto o anúncio da concessão do Galeão.


Entre as obras, estão os R$ 11,5 bilhões para os portos do Rio e de Itaguaí. O setor ferroviário receberá pouco mais de R$ 8 bilhões para a reativação do contorno férreo da Baía da Guanabara, adequação da ferrovia entre Niterói e a divisa com o Espírito Santo, além da construção da nova ligação entre Campos de Goytacazes e Uruaçu (Goiás), o que poderá ser um caminho para o escoamento de soja pelo Estado do Rio, e de melhorias nas estradas de ferro mineiras, que podem causar impacto no Rio.


Estes investimentos serão combinados com obras em construção anteriores aos pacotes, como o Arco Metropolitano — que ligará as principais rodovias do estado, evitando o tráfego desnecessário de veículos na capital e na Ponte Rio-Niterói. Mas a obra que tende a se beneficiar mais com estes projetos do governo federal é o Porto do Açu, que a LLX (subsidiária da EBX) constrói em São João da Barra. O terminal, que passará a ter ligações com todo o estado, também fica liberado a operar contêineres, permissão presente no pacote de portos, anunciado na quinta-feira.


— O Rio tem a oportunidade de ganhar ligações importantes e muitas integrações em modais diferentes, fazendo com que tenha mais eficiência em seus transportes. Isso favorece a atração de novas empresas, sobretudo na região Norte do Estado. O Rio foi um dos destaques nestes pacotes do governo federal — afirmou Cristiano Prado, gerente de competitividade industrial e investimentos da Firjan, lembrando que sua entidade já mapeou R$ 221 bilhões de investimentos no Estado até 2014.


Prado afirma que o importante é fazer com que estes investimentos sejam, de fato, concretizados. Para isso, lembra, os governos precisarão acelerar questões burocráticas e as licenças ambientais. Ele espera que os primeiros benefícios serão sentidos em dois anos, principalmente na área dos portos.


Isso poderá, em sua opinião, fazer com que o setor de cabotagem cresça fortemente. Ele não acredita, contudo, que o Rio vai “roubar” cargas de outros estados do país:
— Vemos uma demanda reprimida muito grande, há espaço para que todos cresçam com mais eficiência logística — disse Prado.


Medidas ignoram Dutra, BR-040 e Ponte


Apesar de acreditar que o Rio foi um dos estados mais beneficiados por esse pacote, ele lembra que algumas obras vitais para a logística ficaram de fora. Estes problemas estão concentrados em rodovias, justamente nas estradas que foram concedidas nos anos 90 e que vivem com alguns gargalos que, para serem solucionados, demandam investimentos de R$ 2,7 bilhões. São eles a nova pista para a subida da serra de Petrópolis na BR-040 (orçada em R$ 750 milhões), a duplicação da Via Dutra na Serra das Araras (com custo estimado de R$ 1,8 bilhão), a ligação Ponte-Linha Vermelha e o mergulhão de Niterói, de cerca de R$ 220 milhões.

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*