2021 com alta em TU

A Estrada de Ferro Vitória a Minas foi a que mais se destacou entre as ferrovias de carga

O volume transportado em toneladas úteis (TU) pelas ferrovias de carga apresentou leve aumento (0,9%) em 2021 na comparação com 2020. Com relação à carga movimentada em toneladas por quilômetro útil (TKU), houve redução de 0,4%.

A Estrada de Ferro Vitória a Minas foi a que mais se destacou entre as ferrovias de carga na relação 2021/2020, com aumento de 18,1% em TU e 17,6% em TKU. A alta se deve em parte à recuperação e retorno gradual de minas da Vale afetadas após o acidente de Brumadinho (MG), no início de 2019. Já a Estrada de Ferro Carajás, também operada pela mineradora, apresentou leve queda em TU (-2,7%) e TKU (-2,9%) no ano passado.

Paradoxalmente, a Malha Oeste, que está em meio a um processo de devolução da concessão ao governo federal pela Rumo, registrou crescimento de 14% em TU e 23,3% em TKU no acumulado de 2021. A Ferrovia Norte-Sul, operada pela VLI, transportou volumes 8,3% e 10,9% maiores em TU e TKU, respectivamente. A Ferrovia Tereza Cristina também cresceu em produtividade na comparação com 2020: 8,8% em TU e 8,6% em TKU. Assim como a Ferrovia Transnordestina Logística (com 8,6% em TU e 8,3 em TKU). A MRS apresentou aumento tímido de um ano para o outro, de 0,7% em TU e 0,2% em TKU.

Você precisa ser assinante da Revista Ferroviária para ler este conteúdo. Por favor, faça o seu . Não é assinante? Assine aqui

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*