Argentina prevê investir em energia e trem-bala

O orçamento do próximo presidente da Argentina terá novos recursos para investimentos em energia – o grande gargalo do governo de Néstor Kirchner – e também dinheiro para fazer o primeiro trem-bala da América do Sul, ligando a capital Buenos Aires às cidades industriais de Rosário (na província de Santa Fé) e Córdoba (na província do mesmo nome).


O projeto orçamentário de 2008 foi apresentado oficialmente ontem pelo ministro da Economia, Miguel Peirano, ao Congresso argentino, debaixo de críticas da oposição, que não teve sequer o direito de fazer perguntas ao ministro. Isso graças à ampla maioria que Kirchner detém no Legislativo e que permitiu, no ano passado, que o governo obtivesse autorização para administrar parte do Orçamento sem necessitar da aprovação dos deputados e senadores.


O Orçamento foi elaborado e aprovado na Casa Rosada sob a supervisão da senadora Cristina Fernandez de Kirchner, primeira-dama e candidata favorita nas eleições presidenciais de outubro. Estão previstos recursos da ordem de 185,5 bilhões de pesos (aproximadamente US$ 60 bilhões) para cobrir gastos totais estimados em 177,2 bilhões de pesos. A arrecadação de 2008 representaria uma carga tributária de 20,7% sobre o Produto Interno Bruto (PIB).


Na parte de investimentos, o Orçamento prevê um empréstimo de US$ 450 milhões para a construção de uma unidade de separação de gás na Bolívia, a construção de centrais de geração de energia elétrica e o início do Gasoduto do Nordeste Argentino. Segundo o jornal “Ambito Financiero”, há ainda uma autorização ao Tesouro para dar aval de 510 milhões de pesos para o cumprimento de compromissos com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) brasileiro. A conta refere-se aos projetos de gasodutos dos quais participam as brasileiras Petrobras e Odebrecht.


O ponto mais criticado do projeto são os pressupostos macroeconômicos sob os quais ele foi calculado e que, a primeira vista, significariam uma forte desaceleração da economia para o ano que vem. O Orçamento prevê uma inflação de 7,7% para 2008 e um crescimento de apenas 4% do PIB. Os investimentos cresceriam 5,6%, as exportações, 6,6%, e as importações, 7,9%. O superávit primário será mantido em 3,15% do PIB.


A projeção de crescimento é a mesma embutida no Orçamento de 2007, interpretada pelos analistas como uma manobra para liberar ainda mais verbas para gastos discricionários. Ao subestimar a arrecadação, o governo limita o comprometimento com despesas e libera verbas excedentes para novos gastos, para os quais não tem que dar satisfações ao Congresso.


A economia argentina vem crescendo o dobro da projeção atual do Orçamento, entre 8% e 9% ao ano, há quatro anos consecutivos. Para o ano que vem, a expectativa dos economistas e consultores independentes é de redução desse ritmo, porém não menos que 6% a 7%. As exportações estão crescendo entre 14% e 15% comparadas a 2006, enquanto as importações saltaram quase 30%, refletindo o aquecimento da atividade econômica.


“A subestimação [do crescimento do PIB] vai deixar mais de 20 bilhões de pesos liberados à gestão discricionária e sem transparência do presidente”, criticou o deputado Esteban Bullrich, da frente opositora PRO-Recrear.


Em seu discurso ao Congresso, Peirano disse que o Orçamento traz uma “estratégia de fortalecimento do mercado interno” e consolida a política de “recuperação do papel do estado na promoção do crescimento econômico”.

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.
Fonte: Valor Econômico

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*