TAV argentino vai custar US$ 4 bilhões

Buenos Aires (RF) – Ainda falta muito para sair o TAV argentino – o Cobra -, a começar pelo resultado das eleições presidenciais de 28 de outubro próximo, onde pode ou não ser eleita Cristina Kirchner, mulher do presidente Nestor Kirchner, que lançou a idéia em maio de 2006. De qualquer forma, as escolhas vão aos poucos sendo feitas: a primeira é que o grupo liderado pela Alstom, Concepto Veloxia, vai mesmo ser o executor do projeto. O grupo é formado pela empreiteira argentina Iecsa, a espanhola Isolux Corsan e pela operadora Empepa.


Segundo o diretor de Política Ferroviária da Argentina Juan Alberto Roccatagliata, resta apenas alguns detalhes para que a obra seja adjudicada. Um desses detalhes é o esquema de financiamento que a Alstom está gestionando junto ao banco francês Société Générale, e que deve cobrir o custo da proposta do grupo – US$ 1.360 bilhão. O projeto, no entanto, deverá custar no mínimo US$ 4 bilhões, acrescentou o diretor.
 
“A conta é simples: são 5,5 milhões de dólares por quilômetro, considerando o custo da via e dos sistemas. Vezes 700 quilômetros, que é a distância entre Buenos Aires e Córdoba, são 3 bilhões e 850 milhões de dólares. Mais oito ou 10 trens duplex de oito carros a 20 milhões de dólares o trem, você chega aos 4 bilhões”, diz Rocatagliata. Segundo o diretor, o projeto será custeado pelo governo.


Pela Belgrano


O traçado seguirá pela ferrovia General Belgrano, a única ferrovia que o governo não conseguiu concessionar. Até Rosário, distante 304 km, existe plataforma para via dupla, mas a escolha será montar via dupla eletrificada para alta velocidade apenas em dois trechos de 50 km, ficando outros 204 km em via singela. “A explicação do baixo custo do projeto é esta: não haverá desapropriação, nem obras de arte, nem túneis para chegar a Buenos Aires. O trem vai sair da estação de Retiro”, explica o diretor.


De Rosário a Córdoba são mais 400 km em via singela. Foi eliminada a hipótese de usar trens diesel entre Rosário e Córdoba para velocidade média. Do início ao final do trajeto de 700 km a idéia é usar o mesmo trem elétrico com velocidade de 300 km/h. O tempo de viagem será de 1 hora 25 minutos Buenos Aires-Rosario e 1 hora 30 minutos Rosário-Cordoba, com três paradas no primeiro trecho e mais três no segundo. A demanda calculada por Roccatagliata é de 3 milhões de passageiros/ano.


Na exposição que acompanhou o Congresso Panamericano de Estradas de Ferro, a Alstom mostrou uma maquete de seis metros com o Cobra duplex pintado nas cores azul e branco da bandeira argentina. Estes trens tem capacidade para 510 passageiros na configuração de oito carros – contra 380 em um TGV equivalente de um só piso – e são usados com grande sucesso pela SNCF francesa desde 1995.


Tem três carros de primeira classe, quatro de segunda classe e um carro bar onde, no primeiro piso, estão concentrados todos os equipamentos elétricos auxiliares do trem. Para mantê-los dentro do peso por eixo de 17 toneladas admitido pelas linhas de alta velocidade francesa, a Alstom redesenhou todo o trem, que foi por sinal utilizado para o recorde de velocidade de 774,8 km/h de abril passado.


Há dois motivos que levam a acreditar nas chances do projeto. A primeira é que todos aqui — inclusive os opositores — acreditam que Cristina Kirchner sai mesmo presidente em 28 de outubro. E a segunda é que a França e a Argentina estão muito avançadas na renegociação da dívida da segunda para com o Clube de Paris, tendo havido declarações de entendimento dos dois governos. Fontes locais acreditam que o futuro contrato com a Alstom faz parte desse entendimento. Os dois concorrentes da Alstom no TAV, a Siemens alemã e a CAF espanhola não chegaram a apresentar suas propostas no ano passado.

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.
Fonte: Folha de São Paulo

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*