Pacote investe apenas 6% do que o País precisa

O pacote de concessões lançado pelo governo federal foi um passo importante para o desenvolvimento da infraestrutura do País, mas ainda insuficiente. O Brasil precisaria investir R$ 2,5 trilhões adicionais nos próximos 25 anos para dobrar o nível de investimentos no setor dos atuais 2% para 4% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo cálculos do economista Cláudio Frischtak, da Inter.B Consultoria.


O pacote de R$ 133 bilhões anunciado esta semana corresponde a apenas 6% disso. A relação investimento/PIB de 4% é, segundo o economista, o mínimo necessário para modernizar razoavelmente o País. Na ponta do lápis, seriam R$ 100 bilhões a mais por ano, além dos R$ 85 bilhões de 2011. Os próximos anúncios de concessões, em áreas como portos e aeroportos, terão de ser mais ousados para que o plano faça diferença. Isso sem levar em conta possíveis percalços regulatórios, de execução e detalhamento desses contratos.


“O pacote foi um passo fundamental por romper a inércia e do ponto de vista psicológico. Incluir o setor privado é importante. Até há pouco tempo, a impressão era de uma posição cada vez mais estatizante, o que gerava um mal-estar com o empresariado”, diz Frischtak, que destaca o pragmatismo da presidente Dilma Rousseff.


Estudo recente do Instituto de Logística e Supply Chain (Ilos) calcula em R$ 985,4 bilhões a defasagem entre a infraestrutura de transporte do Brasil e a dos Estados Unidos. O que significa que, investindo R$ 100 bilhões por ano, o País levaria quase uma década para alcançar o padrão atual americano. Um problema destacado pelo especialista Paulo Fleury, diretor do Ilos, é a grande participação do modal rodoviário na infraestrutura de transporte nacional.


Desde a privatização da malha ferroviária, há 15 anos, a participação das ferrovias no transporte cresceu muito pouco, passando de 18% para 22% segundo cálculos do Ilos referendado pelo Banco Mundial. As rodovias representam 62%, a cabotagem, 15% e os dutos, em torno de 1%. “O passivo do Brasil em rodovias é muito elevado. Somente a adequação dessa malha consumiria grande parte dessa defasagem”, diz Fleury.


Comparação. Pelo estudo, seriam necessários investimentos de R$ 812 bilhões para elevar o padrão das estradas ao nível americano. A comparação com os EUA partiu de critérios como dimensão territorial, idade média da malha ferroviária e vocação semelhante dos dois países como grandes produtores de commodities.


Frischtak apresenta o resultado de outro estudo recém-concluído para exemplificar a queda dos investimentos em infraestrutura no Brasil. O cálculo mostra que em 2010 o porcentual investido foi de 2,3% do PIB, após chegar a 2,45% nos dois anos anteriores. No ano passado mais um recuo, para 2,05%. O risco de o País fechar este ano com uma taxa ainda menor é alto.


“Com um pouco de sorte, os investimentos ficarão em 2%”, diz o economista. Sem essa “sorte”, o piso de 2% será rompido pela primeira vez desde os 1,84% de 2007. Os números acenderam o alerta vermelho no governo e impulsionaram o pacote de concessões.


O gastos vêm caindo nas três últimas décadas. Entre 2001 e 2011, o Brasil investiu, em média, apenas 2,15% do PIB no setor, somando R$ 595 bilhões. Desse total, 59% foram para o já privatizado setor de telecomunicações. Os modais rodoviário e ferroviário receberam 26% – o que representa R$ 155,7 bilhões, mais do que os R$ 133 bilhões do pacote atual -, enquanto portos e aeroportos receberam 3,3%.


Na década encerrada em 2000, a fatia para infraestrutura chegou a 2,29%, um recuo ante os 3,62% entre 1981 e 1989. O auge de aportes ocorreu entre 1971 e 1980 – 5,42% do PIB -, antes da crise financeira e fiscal dos anos 80. Em resumo, há mais de 20 anos a taxa de investimento em infraestrutura oscila de 2% a 2,5% do PIB por ano.

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*