Até metrô no papel atrai novos empreendimentos em SP

O trem não chegou à estação e, em muitos casos, nem a estação existe. Mas metade dos novos empreendimentos imobiliários perto do metrô de São Paulo marca presença nas cercanias de instalações em obras ou ainda no papel.


Estudo feito pela Lopes, empresa do setor imobiliário, indica que 63% (ou 203) dos 320 empreendimentos que a cidade vai ter nos próximos anos estarão a até 1 km do metrô.


Desses, 102 ficam na região de estações que ainda estão em construção, como a de Moema, no prolongamento da linha amarela, ou que ainda não saíram do papel, como a de Perdizes, na linha laranja, que deve começar a ser construída em 2013.


O Secovi (sindicato da habitação) avalia que é positivo para a cidade incentivar o adensamento de pessoas em áreas onde há ou haverá oferta de transporte público.


“Empreendimentos perto do metrô são uma tendência positiva. Se há problema de mobilidade, é preciso procurar alternativas para resolvê-lo. Uma forma é otimizar o adensamento racional ao longo das linhas que existem. Isso promove retirada de carros das ruas”, disse Claudio Bernardes, presidente do Secovi.


O urbanista Kazuo Nakano, do Instituto Pólis (ONG da área de políticas públicas), alerta, porém, que nem sempre empreendimentos representarão bom uso da área urbana.


“Às vezes, um lote com duas casas dá lugar a um prédio com 60 apartamentos, mas, no entorno, várias outras casas saem para dar lugar a comércios e serviços. Isso acaba anulando o resultado positivo.”


A comodidade de morar perto do metrô tem custo tanto financeiro como social, já que pode elitizar a região.


“Os imóveis nessas localidades costumam ser de médio e alto padrão e são caros. Comprar terreno nessas regiões envolve alto investimento e os empreendedores vão vender para segmentos que podem pagar por eles”, disse Nakano.


No estudo, não foram levantadas informações a respeito do nível dos imóveis.


Cyro Naufel, diretor de atendimento da Lopes, afirma que o público que tem comprado esses apartamentos é diversificado.


“Morar perto do metrô é demanda de todas as classes sociais hoje, e o traçado das linhas tem atendido tanto ao Itaim, para o executivo ir trabalhar, como o Taboão, onde a pessoa pode morar.”


A bancária Adelina Souza comprou apartamento de dois quartos que será próximo à futura estação da Lapa, na zona oeste. “Trabalho no centro e enfrento muito trânsito todos os dias. Quando puder ir de Metrô, vou gastar menos da metade do tempo.

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*