Brasil ocupa 13º posição em ranking sobre competitividade

Atrás apenas da Argentina, o Brasil ocupa o penúltimo lugar no ranking sobre a competitividade de países com economia semelhante, divulgado nesta segunda-feira pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Entre os 14 países comparados no levantamento, o mais competitivo é o Canadá, seguido pela Coreia do Sul. O alto custo do capital e da mão de obra derrubaram a avaliação do Brasil, que ficou na mesma posição verificada na edição 2010 do estudo, segundo a CNI.


Entre os nove aspectos analisados pelo estudo, o Brasil teve avaliação positiva em apenas um (disponibilidade de mão de obra) e regular em mais um (Tecnologia e Inovação). Nos outros sete quesitos, o país ocupou colocações entre o 11º e o 14º lugar no ranking, consideradas negativas. Outros fatores que se destacam e levaram o Brasil para a 13ª posição na lista consolidada estão também a má qualidade da infraestrutura de transporte e o ambiente macroeconômico desfavorável, afirmou a CNI. O baixo nível de investimento, principalmente em inovação, também influenciou esse desempenho, segundo o gerente de Pesquisa e Competitividade da CNI, Renato da Fonseca.


– Mas porque as empresas deixariam de investir se isso é crucial para sua sobrevivência? É aqui que o ambiente econômico desfavorável, a deficiência na infraestrutura do país e a baixa qualidade da educação mostram sua importância – avaliou Fonseca.


A pior situação na qualidade da infraestrutura brasileira é a dos portos e dos aeroportos, apontou o levantamento. A infraestrutura ferroviária coloca o Brasil em 12ª posição, e a qualidade das rodovias, em 11ª, avaliando apenas esse quesito. Por outro lado, a situação da infraestrutura de energia e comunicações é melhor. O Brasil está em 6º nesse quesito, atrás da Rússia, Coreia do Sul, Chile, Polônia e Espanha.


No quesito mão de obra, o levantamento destaca que apesar de grande disponibilidade de trabalhadores, o elevado custo da mão de obra e a baixa produtividade reduzem os benefícios dessa vantagem, o que é acentuado pela proximidade do fim desse bônus demográfico.


Nem a queda dos juros básicos da economia a seu menor patamar histórico ajudou o Brasil a melhorar a avaliação desse quesito. A taxa de juros real de curto prazo torna o capital brasileiro o mais oneroso dos 14 países. No entanto, o Brasil ocupa a 7ª posição no quesito disponibilidade de financiamento.


A carga fiscal também representa uma desvantagem competitiva em relação aos demais países selecionados. O Brasil aparece em penúltimo lugar no critério peso dos tributos, atrás apenas da Argentina. Apesar de todas as barreiras macroeconômicas, o país tem como vantagem um movimentado mercado doméstico. Apenas o mercado interno da China e da Índia são mais dinâmicos que o brasileiro.


No levantamento, a entidade comparou países em desenvolvimento, como os integrantes dos BRICs (Rússia, Índia, China e África do Sul), alguns países da América do Sul e outros, como México, Polônia, Espanha e Austrália.

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*