União apresentará projeto de recuperação de Paranapiacaba

A União Federal e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN terão de apresentar em 180 dias um projeto de recuperação de bens de valor histórico, artístico e cultural encontrados no Complexo de Paranapiacaba em Santo André/SP. A decisão é do juiz federal Paulo Bueno de Azevedo, substituto da 1ª Vara Federal da cidade.


Em 2008, o Ministério Público do Estado de São Paulo ajuizou uma ação civil pública contra a Rede Ferroviária Federal S/A (RFFSA), alegando conduta ilícita e omissiva da empresa com relação a Vila Ferroviária de Paranapiacaba, tombada pela Resolução 37/1987 da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, e que estaria em situação de completo abandono.
Posteriormente, com a extinção da RFFSA e consequente sucessão pela União, a ação foi encaminhada à Justiça Federal para processamento. O Ministério Público Federal entendeu que o Município de Santo André, a Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF), o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), a MRS Logística S/A e o IPHAN deveriam também fazer parte do processo.


Ao analisar o mérito do processo, o juiz lembrou que a Vila Ferroviária de Paranapiacaba é um espaço relevante não apenas para Santo André, como também para o próprio país, dizendo que notícias recentes informam que ela é candidata a Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.


“Porém, mais importante que reconhecimento e títulos internacionais é o bem-estar da população de Paranapiacaba, que já foi abandonada pelo Poder Público antes”, afirma Paulo de Azevedo que ainda completa que “a proteção do patrimônio histórico e cultural e reparação dos danos causados pelo tempo e pelo descaso servirá especialmente para a revitalização da região, atraindo mais e mais turistas, e contribuindo, consequentemente, para o bem-estar da população local”.


O magistrado analisou individualmente a responsabilidade de cada réu e entendeu que o prazo de 180 dias para a União Federal e o IPHAN apresentarem um projeto de recuperação dos bens é razoável, pois não adiantaria fixar “medidas imediatas em prazos impraticáveis, pois tais medidas revelam escassa eficácia”.


O projeto deverá especificar todas as medidas que serão tomadas no contexto do PAC Cidades Históricas, que engloba a Vila de Paranapiacaba; bem como delinear os trabalhos que deverão ser realizados por cada um.


Já o Município de Santo André deverá apresentar no mesmo período um relatório de todas as restaurações já feitas, inclusive as providências tomadas para a inclusão no PAC Cidades Históricas, especificando a destinação e utilização da verba federal na regiao. O relatório também deverá especificar as medidas tomadas para a candidatura de Paranapiacaba a Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.


Com relação à MRS Logística S/A, esta deverá cuidar da conservação dos bens localizados no pátio ferroviário, devendo tomar as medidas adequadas para tanto. Para a ABPF, ficou o dever de tomar medidas de recuperação dos materiais rodantes em estágio de abandono e do Museu Tecnológico Ferroviário de Paranapiacaba. Por fim, quanto ao DNIT, o juiz entendeu que ele não pode ser responsabilizado nos termos dos pedidos formulados na ação, os quais recaem sobre funções da União e do IPHAN.


Caso qualquer um dos réus descumpra a decisão injustificadamente, haverá uma multa no valor de R$ 5 mil por mês de atraso.

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.
Fonte: Justiça Federal

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*