Inteligência artificial na gestão metroferroviária: transformando dados em informações de alto valor

Artigo finalista da categoria 01 do 8º Prêmio Tecnologia & Desenvolvimento Metroferroviários
ANPTrilhos-CBTU, apresentado na 27ª Semana de Tecnologia Metroferroviária da Aeamesp
Por Eduardo Augusto Campos, coordenador de Engenharia, Desempenho e Segurança Operacional do Metrô de São Paulo

1. INTRODUÇÃO
A transformação de dados em informação ganha cada vez mais importância no contexto empresarial atual, na indústria de capital intensivo esse tema assume uma importância ainda maior, devido aos elevados ganhos de desempenho financeiro e operacional que podem ser obtidos.

O desenvolvimento da computação e das redes de informação aumentou de forma exponencial a quantidade de dados disponíveis, para que estes dados efetivamente possam gerar valor é essencial que as perguntas corretas sejam feitas, e é neste contexto que este trabalho se encaixa.

A proposta deste trabalho é utilizar ferramentas da teoria da decisão e modelagem para tratar dados de confiabilidade de um sistema metroferroviário. Estes dados, juntamente com outros dados operacionais do sistema serão transformados em informações gerenciais, como o custo material e de recursos humanos necessários em um determinado espaço de tempo, estas informações possuem um alto valor para definir estratégias de engenharia de sistemas e de gestão da manutenção, permitindo uma visão global do estado atual e permitindo avaliar e decidir entre diferentes opções de investimento ou ações que possam elevar o desempenho operacional do sistema.

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL
A inteligência artificial é o campo que combina a ciência da computação a conjuntos de dados robustos para permitir a resolução de problemas. Neste trabalho construímos uma solução utilizando redes Bayesianas, técnica que permite utilizar probabilidades de eventos e opiniões de especialistas para inferir a probabilidade de ocorrência de outros eventos relacionados. Na figura 1 temos um exemplo de uma rede bayesiana simples que relaciona as probabilidades de possuir um gato ou apresentar alergia (nós pai) com as probabilidades de apresentar arranhões ou rinite (nós filho).

Você precisa ser assinante da Revista Ferroviária para ler este conteúdo. Por favor, faça o seu . Não é assinante? Assine aqui

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*