A vez das ferrovias

As horas passavam e os corredores da feira “Negócios nos trilhos”, que já havia aberto os portões ao público, estavam vazios. Palestrantes e visitantes de todos os cantos do Brasil e de outros países estavam presos nos aeroportos à espera da liberação dos vôos.


Atrasados em função do caos aéreo não conseguiam se deslocar até o Expo Center Norte, em São Paulo, onde o evento do setor ferroviário foi realizado de 23 a 25 de outubro. A piada nos corredores entre os que conseguiram chegar era uma só: “Se fosse de trem, isso não aconteceria”.


O transporte de passageiros é para lá de tímido no Brasil. Um país de dimensões continentais, que poderia ser ligado de um ponto a outro por trilhos, como acontece em toda a Europa, conta com pouquíssimas linhas nos principais centros urbanos. E nenhuma delas é interestadual. No transporte de cargas, esta realidade começa a mudar. Basta dar uma conferida nos números de 2007, que deverá fechar com investimentos da ordem de R$ 3,5 bilhões, valor 58% maior do que o destinado no ano anterior.


Desde que começou a vigorar o modelo de concessão, em 1997, a iniciativa privada aplicou R$ R$ 11,8 bilhões. Somados os recursos deste ano, o montante chega a R$ 15,3 bilhões. O resultado foi o aumento de quase 70% da produção ferroviária nacional, que passou de 137,2 bilhões de tonelada por quilômetro útil transportada (TKU) em 1997 para 232,3 bilhões de TKU em 2006.


Os recursos se destinam, principalmente, para a aquisição e recuperação de material rodante, melhorias na via permanente, introdução de novas tecnologias, capacitação de pessoal e campanhas educativas de segurança.


Em 1997, quando as concessionárias assumiram as operações antes de responsabilidade da recém-extinta estatal RFFSA, as ferrovias contavam com 43.796 vagões para operar, sendo que 42% estavam sucateados. Neste ano, a frota de vagões deve ultrapassar 90 mil unidades. Segundo levantamento da ANTF, das 1.144 locomotivas em atividade na época, 30% estavam em péssimo estado de conservação. Em 2006, o setor contava com 2.227 locomotivas com potência superior a 3.600 HP (em 1997, era em torno de 2.000 HP).

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.
Fonte: Jornal do Comércio (RS)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*