Moradores de Santa Teresa pedem a preservação de modelo de bonde

Integrantes do movimento O Bonde que Queremos, do bairro de Santa Teresa, entregaram ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), um referendo com 14.500 assinaturas. O documento detalha as características históricas do bonde que a comunidade quer que sejam mantidas.


A engenheira Elzbieta Mitkiewicz, presidente da Associação de Moradores e Amigos de Santa Teresa (Amast), disse que a comunidade recorreu ao Iphan para impedir a descaracterização dos atuais bondes por modelos mais modernos.


”O bonde que é a identidade do bairro, que é a alma do bairro, é esse que nos serviu durante 115 anos. Quatorze mil e quinhentas pessoas assinaram o manifesto O Bonde que Queremos, que é exatamente esse, que faz parte do bairro, não tem como negar isso. Nós viemos aqui, ao Iphan, para justamente discutir isso, que é o modelo do bonde, os moradores querem ele como sempre foi: aberto, popular, ecológico. Não queremos outro bonde, queremos esse”, ressaltou.


De acordo com a engenheira, foi montada uma câmara técnica para avaliar a segurança do bonde centenário. Um dos participantes dessa câmara, Alcebíades Fonseca, do Clube de Engenharia, declarou que a reunião com a superintendente do Iphan no Rio de Janeiro, Cristina Lodi, foi produtiva. Fonseca explicou que a questão da segurança, uma das preocupações em relação aos bondes antigos, pode ser resolvida.


”A questão não se prende só à estética do bonde, mas na questão da construção dele. Santa Teresa é um local adverso, com aclividade, com curvas, então a manutenção do sistema, embora antigo, é que garante o bom funcionamento. Para a engenharia tudo é possível, você mantém o bonde antigo e dota ele de um sistema que deixa mais seguro que avião”.


O engenheiro Luiz Cosenza, coordenador da Comissão de Análise e Prevenção de Acidentes (Capa) do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio de Janeiro (Crea-RJ), alerta para a falta de projeto técnico na licitação do novo sistema de bondes de Santa Teresa. ”Nós entendemos que há solução para manter o bonde tradicional com segurança e é isso que nós defendemos. A gente não quer que se faça agora uma licitação, como foi feita, sem que tenha um projeto. A gente quer que, antes de se construir o bonde, se faça o projeto, para que amanhã a gente não esteja lá no Crea analisando novos acidentes”.


Cosenza lembrou que a entidade foi chamada, no ano passado, para analisar as causas do acidente que deixou seis mortos e mais de 50 feridos. De acordo com ele, ficou comprovado que o motivo foi falta de manutenção no sistema, e não o modelo do bonde.


Em abril deste ano, o Iphan concedeu o tombamento provisório do Sistema de Bondes de Santa Teresa, por sua importância histórica e paisagística. Mas, de acordo com o instituto, a medida atinge o trajeto, do Largo da Carioca até o Silvestre, além do bondinho nº 2, modelo que foi tirado de circulação e ficará em exposição. Em nota, o Iphan diz que o tombamento não especifica o modelo de trilho ou de bondes, para possibilitar atualizações dos equipamentos.

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*