Justiça suspende implantação do monotrilho em Manaus

 A Justiça Federal suspendeu os trâmites para a celebração do contrato e repasse de verbas destinadas à implantação do monotrilho em Manaus. A decisão, em caráter de liminar, foi assinada juiz da 3ª Vara da Seção Judiciária do Amazonas, Rafael Leite Paulo, nesta terça-feira (21). O projeto do monotrilho tem orçamento inicial estimado em R$ 1,3 bilhão, com financiamento por meio do Programa Federal de Infraestrutura de Transporte e da Mobilidade Urbana – Pró-Transporte, que tem como gestor o Ministério das Cidades e como agente operador a Caixa Econômica Federal.


Na decisão, o juiz afirma que o projeto de implantação do monotrilho apresenta diversas irregularidades. A ação civil pública aponta falhas licitatórias, inviabilidade no projeto, além de “riscos plenamente” demonstrados ao patrimônio histórico de Manaus”. Conforme consta na decisão, a implantação do monotrilho provocaria impactos à cidade devido à ausência de manifestação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), além de inobservância das disposições da Lei de Mobilidade Urbana da cidade.


 De acordo com o documento, o juiz Federal entendeu que as irregularidades constatadas no projeto do empreendimento em questão não foram sanadas, violando a Lei de Licitações, a Constituição Federal e os princípios que orientam a atuação da Administração.


“Apesar de não restarem sanadas as irregularidades constatadas, o Estado do Amazonas prosseguiu com o procedimento licitatório e celebrou contrato com vistas a implementar o projeto em questão, o que levou o Ministério Público Federal em conjunto com o Ministério Público do Estado do Amazonas a exercerem a Recomendação Conjunta nº. 05/2012, para que o Estado do Amazonas, exercendo seu poder de auto-tutelar, anulasse o procedimento licitatório e aludido termo de contrato”, diz um trecho da ação.


A Superintendente Iphan no Amazonas, Sheila Campos, explicou que o projeto completo do monotrilho foi analisado e indeferido pelo Instituto. Segundo ela, o documento previa a demolição de quase um quarteirão da área da Matriz, no Centro de Manaus.


“Logo em seguida, houve uma reunião e depois disso, não chegou nada para a análise do Iphan. Recebemos apenas uma etapa seguinte, que dizia respeito a uma parte seccionada do projeto da Constantino para o Centro e da Constantino para subúrbio. Todos deveriam passar pelo Iphan, mas foi solicitado apenas licença para fazer a pesquisa arqueológica da área da Constantino para o subúrbio. Apresentaram pesquisa, mas, até agora, não recebi esse resultado”, afirmou ao G1.


A decisão da suspensão está sujeita a recurso e o processo aguarda defesa dos envolvidos. O Governo do Amazonas comunicou, por meio da Agência de Comunicação do Estado do Amazonas (Agecom), que se pronunciará sobre o caso somente quando for notificado oficialmente. O G1 tentou contato com a assessoria da Caixa Econômica Federal para obter informações sobre os trâmites de repasse de recursos, mas não obteve sucesso.


Projeto


O monotrilho é projeto do Governo do Amazonas voltado para a melhoria da mobilidade urbana em Manaus e estava previsto para sair antes da Copa do Mundo de 2014, porém o projeto foi retirado, em outubro de 2012, da matriz do evento, por falta de tempo hábil para ser concluída até o mundial. O projeto passou a integrar o Programa de Aceleração do Crescimento.

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans

It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans

Payday lenders so why payday loans online look at.

Bad lenders will be payday loans online credit bureau.
Fonte: Justiça suspende implantação do monotrilho em Mana

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*