Quem fala que Ferrogrão vai devastar floresta, não entende de meio ambiente, diz Tarcísio

Tarcísio Freitas — Foto: Reprodução
Tarcísio Freitas — Foto: Reprodução

Valor Econômico – O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, rebateu críticas direcionadas à viabilidade e ao impacto ambiental da Ferrogrão durante participação na Live do Valor.

Tarcísio disse que o governo não apostou todas as fichas no projeto ferroviário que reúne grande expectativa com escoamento da produção de grãos do Mato Grosso pela região Norte. Segundo ele, outros projetos de infraestrutura também receberam a atenção do governo, tais como BR-163 (MT/PA), BR-364 (RO), dragagem do Rio Madeira, investimentos na Ferrovia de Integração Centro Oeste (Fico), além da Ferronorte.

“Não deixamos de fazer nada em função da Ferrogrão”, afirmou na live promovida pelo jornal Valor Econômico em parceria com a Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF).

O ministro fez questão de ressaltar que considera a Ferrogrão um empreendimento “viável e possível”, com forte interesse de investidores, apesar das críticas e contestação judicial. Trata-se, segundo ele, de um projeto que “tem encontrado muito eco no mercado”, pois foi demandado pelo próprio setor privado.

Ao justificar a importância da Ferrogrão, Tarcísio explicou que, ao começar a discutir o projeto, Mato Grosso produzia 50 milhões de toneladas por ano e, atualmente, já alcança 70 milhões. E que o Estado produzirá 120 milhões de toneladas de grãos por ano em 2030.
O ministro rechaçou a ideia de que a Ferrogrão poderá ser uma “nova” Belo Monte, mega projeto de hidrelétrica que demorou mais de 30 anos para ser viabilizado devido a questões de licenciamento ambiental.

“A gente tem que separar o que é ideologia do que é interesse de fato em proteção ao meio ambiente. Eu tenho certeza absoluta que nenhum desses ativistas percorreram a BR-163 [rodovia apontada como alternativa] e nenhum deles conhece com profundidade o projeto de Ferrogrão”, assegurou Tarcísio. “Quem fala que vai devastar florestas, que vai acabar com o meio ambiente está mentindo”, completou.

Durante o evento virtual, o ministro reforçou que não faz sentido duplicar a BR-163, que escoa a produção para os portos da região Norte, como opção no lugar da ferrovia. “Falar em duplicação da BR-163 em detrimento da Ferrogão é não entender nada de sustentabilidade”, afirmou.

A declaração do ministro foi endossada pelo diretor do Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura da Fundação Dom Cabral, Paulo Resende. Segundo ele, o modal rodoviário não será capaz de substituir a malha ferroviária para escoar a produção do agronegócio do Centro-Oeste pelo Arco Norte.

Fonte: https://valor.globo.com/brasil/noticia/2021/07/20/quem-fala-que-ferrograo-vai-devastar-floresta-nao-entende-de-meio-ambiente-diz-tarcisio.ghtml

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*