Meetup Lab: fomentando a discussão técnica e aumentando a integração entre os colaboradores da CPTM

INTRODUÇÃO
O conhecimento não nasce com o indivíduo nem é dado pelo meio social. O sujeito aprende a construir o seu conhecimento na interação com o meio – tanto físico, como social (BECKER, 2001, apud BERTELLI, p. 2). A gestão do conhecimento é um dos grandes desafios das empresas ao longo das últimas décadas e a transformação do conhecimento tácito em conhecimento explícito tem movimentado os departamentos de treinamento, engenharia e gestão de todas as empresas. Porém, segundo Menezes et al. (2017), apenas documentar esse conhecimento não é suficiente para romper as barreiras da desuniformidade de conhecimento, em especial quando o conhecimento é muito técnico e há relações interdepartamentais. Conforme citado por DUARTE (2013), percebe-se que as organizações modernas têm sofrido grande impacto da era do conhecimento, e isso tem imposto as organizações a repensarem meios e metodologias para se diferenciarem dentro do mercado competitivo. A alternativa que se apresenta mais latente frente a estes desafios é inovar, e de acordo com o Art. 2° da lei n° 13.243, de 11 de janeiro de 2016 inovação é: “introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente produtivo e social que resulte em novos produtos, serviços ou processos ou que compreenda a agregação de novas funcionalidades ou características a produto, serviço ou processo já existente que possa resultar em melhorias e em efetivo ganho de qualidade ou desempenho”, deste modo o MeetUp LAB busca a inovação na gestão do conhecimento através de uma iniciativa inédita na CPTM.

O MeetUp LAB é um encontro planejado onde diversos colaboradores de variadas áreas e níveis de conhecimento se juntam para abordar um assunto específico por evento e tem-se por objetivo fomentar discussões técnicas entre os colaboradores participantes, superando as barreiras departamentais e criando um ambiente propício a troca de experiência e conhecimento adquiridos ao longo dos anos, de forma teórica ou empírica, além da ampliação do networking interno e desenvolvimento técnico.

Você precisa ser assinante da Revista Ferroviária para ler este conteúdo. Por favor, faça o seu . Não é assinante? Assine aqui

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*